Morumbi: melhor ataque x pior defesa

O jogo reúne o primeiro e o 16.º colocados no Campeonato Paulista, com 29 e dez pontos ganhos, respectivamente. O time que tem o melhor ataque, com 33 gols marcados em onze jogos - e a pior defesa, com 27 gols sofridos. E é no Morumbi, a casa do líder. Mesmo assim, o São Paulo promete atenção total contra o Rio Branco, às 16 horas. São os ?cascudos? de volta."Nada de salto alto. A hora é de humildade", diz Leão, que promete um "time cascudo", apesar das facilidades que se anunciam. "Estamos quatro pontos na frente do segundo colocado, isso permite um descarte. Só que não queremos exercer esse direito agora", diz o treinador.A idéia é manter os quatro pontos de vantagem sobre o Mogi Mirim, vice-líder, até a última rodada, quando os dois times se enfrentam no interior. A vantagem transformaria a partida em amistoso, chance para a entrega de faixas para o São Paulo.A novidade no Tricolor é a volta de Diego Tardelli, afastado, com distensão muscular, desde 27 de fevereiro, quando o São Paulo derrotou o Corinthians por 1 a 0. Ele volta na vaga de Luizão, que também está com distensão muscular."Quero fazer um gol no Rio Branco. O Robinho e o Finazzi não aproveitaram a chance que dei e não me ultrapassaram na artilharia. Agora, estou nessa briga e quero fazer pelo menos um por jogo", diz Tardelli. E isso até o final do ano, o que o tornaria um fenômeno, superando artilheiros como Luís Fabiano e Romário. "Dá para fazer, eu tenho certeza. Estou muito confiante e pronto para render muito."O entusiasmo de Tardelli parece exagerado, mas os números estão jogando ao lado do artilheiro. Fez dez gols nos dez jogos em que participou.O companheiro de Tardelli será Grafite, recuperado da inflamação em um ligamento do joelho direito. "Estou bem e me sinto em condições de atuar. Nós temos de nos superar nesse momento em que jogamos em casa. Não podemos dar vantagem para os adversários", diz Grafite, autor de cinco gols no Paulista e de outros dois na Libertadores da América.Grafite é um dos jogadores preferidos de Leão. O treinador vê nele muita vontade de vencer e muita dedicação em campo. É um dos "cascudos" preferidos.Talvez também por Nicolas Leoz, presidente da Confederação Sul-americana de Futebol, que visitou o clube e se confessou um admirador do São Paulo. "Sempre tive muitas alegrias com essa equipe. Foram dois títulos mundiais", disse Leoz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.