Daniel Teixeira/Estadão
Preços elevados causaram protestos no Morumbi Daniel Teixeira/Estadão

MORUMBI 'VAZIO' LEVA SÃO PAULO A TENTAR SOLUCIONAR VENDAS

Clube admite problemas e lamenta baixa presença de público contra o Danubio

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2015 | 07h00

Problemas no sistema de compra de ingressos e o valor cobrado de R$ 120 pelos bilhetes avulsos esvaziaram o Morumbi na estreia do São Paulo pela Copa Libertadores e deixaram o clube em alerta. A diretoria estabeleceu como prioridade consertar as falhas e promete que tudo estará normalizado até o próximo jogo do time em casa, contra o Corinthians, dia 8 de março, pelo Campeonato Paulista.

O jogo com o Danubio, na quarta-feira, teve o pior público da equipe como mandante na Libertadores desde 1992. Os 16.889 pagantes ficaram bem abaixo da expectativa, que era de superar 30 mil torcedores.

O time também sentiu as arquibancadas vazias. O técnico Muricy Ramalho criticou os preços elevados e lembrou que em 2013, quando o São Paulo lutava contra o rebaixamento no Brasileiro, a promoção com ingressos de até R$ 2, para os sócios-torcedores, alavancou a presença no estádio para ajudar a equipe a permanecer na Série A.


"Claro que no futebol tem a questão da arrecadação, mas temos que olhar com carinho para esses preços. O torcedor é sempre quem sofre por nossa causa", disse o treinador.

O clube admitiu as falhas no sistema de compras e recebeu reclamações de torcedores que levaram até quatro horas para concluir a operação e de outros que tiveram o valor debitado mais de uma vez no cartão de crédito. A estimativa é que 20% das pessoas que tentaram comprar tiveram algum problema. 

Segundo o gerente de marketing do clube, Ruy Maurício Barbosa, duas grandes falhas causaram os transtornos. Uma delas se deu na validação da compra pelo cartão de crédito e a outra foi no reconhecimento do cadastro dos sócios-torcedores.

Os contratempos se originaram pela troca recente da empresa responsável pelos ingressos e controle de acessos. A partida com o Danubio foi a segunda desde que a companhia portuguesa Smartmove tomou conta do processo e a adequação do sistema não ficou pronta.

A pressa dos tricolores para acionar as compras pelo site em vez da tradicional ida à bilheteria se deu por uma estratégia do clube de priorizar o programa de sócio-torcedor. Os participantes dessa modalidade poderiam comprar entradas para os três jogos do São Paulo no Morumbi pela fase de grupos da Libertadores por um pacote vendido a R$ 100, ou seja, por volta de R$ 33 para cada partida. Já o preço para vendas avulsas era de R$ 120 por jogo.

"A torcida tem de entender que não é R$ 120. Você pode comprar por cerca de R$ 30. É uma questão dele entender e entrar para o programa de sócio-torcedor", explicou o gerente.

A estratégia do clube é usar a Libertadores como ferramenta para ampliar o número de adesões ao programa. O Tricolor tem cerca de 51 mil sócios e a meta é chegar ao dobro até o fim do ano.

"O futebol não é algo barato. O torcedor tem de enxergar isso. Se você olhar o que o São Paulo pratica para o que outros times fazem, é algo bem em conta", comparou.

O número de falhas surpreendeu o clube, que trabalha para que tudo esteja resolvido até o clássico com o Corinthians, pelo Campeonato Paulista.

QUEIXAS

Todas essas alterações, porém, não agradaram aos torcedores. Os problemas no site e os altos valores de ingressos causaram reclamações em frente ao Morumbi antes do jogo. Alguns torcedores levaram faixas com a frase: "R$ 120 é roubo". A forte chuva no dia também contribuiu para o recorde negativo de bilheteria.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Programas de sócios-torcedores animam os clubes a investir

Dirigentes miram ampliação das receitas e facilidade na venda

O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2015 | 07h00

Nos últimos anos, os grandes clubes do País incrementaram seus programas de sócios-torcedores. A principal motivação para quem gosta de futebol, claro, são as facilidades e prioridades para a compra de ingressos. O chamado "torcedor comum" terá cada vez mais dificuldade para acompanhar o time do coração nos estádios.

Um bom exemplo é o Palmeiras, que penou para se adequar. Há mais de 20 anos, em 1994, o clube vendeu um carnê com ingressos de arquibancada para todos os jogos do time como mandante no Paulistão. A iniciativa foi um sucesso, mas não teve continuidade. Doze anos depois, em dezembro de 2006, o clube lançou a "Onda Verde", e mais de quatro mil torcedores rapidamente se associaram, mas o projeto foi abandonado. 

No final de 2009, o atual programa, "Avanti", foi lançado mas sem tanto apelo, o torcedor Alviverde não "comprou a ideia". Em 2012, antes da segunda partida da decisão da Copa do Brasil, a diretoria remodelou o projeto e ganhou cerca de nove mil clientes. 

No final de 2013, o clube montou uma estrutura melhor e a resposta foi boa – fechou o ano com 40 mil sócios-torcedores, navegou no sucesso da inauguração do Allianz Parque e está perto da marca dos cem mil sócios-torcedores no País. Para comercializar os ingressos, o clube usa a plataforma do site futebolcard.com, e quase não se tem notícias de problemas na hora da compra. O plano rendeu ao Palmeiras R$ 10 milhões em 2014 e neste ano deve dar ao clube mais de R$ 20 milhões.

Outro clube paulista bem estruturado em relação aos sócios-torcedores é o Corinthians. O programa do clube, o "Fiel Torcedor", teve sua explosão na campanha do time na Libertadores de 2012 – basicamente, apenas associados conseguiram ingressos para os jogos do clube no Pacaembu. Hoje, a base de dados conta com pouco mais de 83 mil torcedores. 

No Santos, além da facilidade para comprar ingressos, ser "Sócio Rei" é vantajoso para os torcedores que desejam participar da vida política do clube. Isso por que o programa é o único dos grandes paulistas que dá direito ao voto nas eleições. 

MOVIMENTO POR UM FUTEBOL MELHOR

PALMEIRAS

Nome: Avanti

Sócios-torcedores: 98.812

Site: socio-palmeiras.futebolcard.com/

Planos: São seis categorias, com pagamentos mensais: (bronze (R$ 9,99), prata (R$ 19,99), ouro (R$ 69,99), platina (R$ 139,99), esmeralda (R$ 299,99) e diamante (R$ 599,99). Cada uma dá direito a prioridade na compra do ingresso e pode render descontos ou gratuidade nos bilhetes.

CORINTHIANS

Nome: Fiel Torcedor

Sócios-torcedores: 83.356

Site: www.fieltorcedor.com.br/

Planos: São três planos anuais, com opção de pagamentos em até 10 parcelas. O 'Minha Vida' custa R$ 160, o 'Minha História' fica em R$ 480 e o 'Meu Amor' sai por R$ 720. Cada plano tem um desconto específico na compra dos ingressos, além de prioridade para adquirir o bilhete. 

SANTOS

Nome: Sócio Rei

Sócios-torcedores: 57.052 

Site: www.sociorei.com.br/ 

Planos: O torcedor pode escolher entre quatro tipos, com pagamentos anuais: 'Oficial' (R$ 235), 'Prata' (R$ 380), 'Ouro' (750) e 'Diamante' (1.200). Além de descontos em ingressos e produtos do clube, o maior diferencial do programa é que cada sócio-torcedor tem o direito a voto nas eleições presidenciais do clube.

SÃO PAULO

Nome: Sócio Torcedor

Sócios-Torcedores: 51.219

Site: http://www.sociotorcedor.com.br/

Planos: São três modalidades. O 'Sou Tricolor', com R$ 12 por mês, o 'Standard', por R$ 30 e o 'Premium', por R$ 100. Todos oferecem preferência na compra de ingressos, mas apenas os dois últimos possibilitam adquirir os bilhetes com desconto para os setores do estádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.