Mossoró na expectativa pelo seu futuro

Márcio Mossoró é a grande estrela do Paulista para essa decisão de Copa do Brasil. Aos 21 anos, ele vive a expectativa de sua segunda decisão - foi titular na derrota para o São Caetano, no Paulistão de 2004 - e ao mesmo tempo convive com o assédio de clubes do Brasil e do exterior. Dentre eles, até mesmo o próprio Fluminense, adversário desta quarta-feira, estaria interessado em levá-lo de Jundiaí."Toda dia meu pai entra na internet, lê alguma coisa sobre o meu futuro e me liga apavorado. Por enquanto, tudo é boato. Vou ficar no Paulista de Jundiaí pelo menos até a decisão dessa Copa do Brasil. Depois vamos ver...", esquiva-se do assunto, apesar de reconhecer que é "muito difícil" permanecer até o fim da Série B do Campeonato Brasileiro.A única coisa que parece estar definida na cabeça do atleta é permanecer no País independentemente das propostas que surgirem do exterior. Comenta-se que até o Milan teria enviado um "olheiro" para observar o meia e o volante Cristian em ação."O dinheiro vêm naturalmente. Não adianta eu querer correr atrás dele. Primeiro, eu tenho que pensar na minha felicidade. Eu vou me casar em agosto e já será difícil para a minha noiva sair de Mossoró para vir morar em Jundiaí ou em São Paulo. Imagine se eu fosse para fora do País, então", conta. "Só se ela e meus pais mudarem a minha cabeça. Mas quero ficar no Brasil pelo menos mais um ano." Foi uma guinada e tanto na vida do jogador. No Paulistão do ano passado, ele não era nem titular na equipe comandada por Zetti. Só jogou contra o São Caetano porque o técnico decidiu apostar em um esquema mais ofensivo. De lá para cá, Mossoró virou unanimidade em Jundiaí."Eu sei que minha carreira engatilhou nesse ano. Sou um iluminado por estar em mais uma final depois de um ano. Por isso, esse jogo é mais do que uma decisão para mim. Um título da Copa do Brasil representa muito na carreira de qualquer atleta. Eu fui vice no ano passado, mas agora quero ser campeão", disparou.Além do título da Copa do Brasil, Márcio Mossoró sonha com uma conquista muito mais simples: tirar a carteira de motorista. "Não estou tendo tempo com essa seqüência de jogos. Só depois que terminar a Copa do Brasil vou atrás disso. Escreve aí para o pessoal lá de Jundiaí me dar uma força", pediu a um jornalista. "Está mais difícil tirar a carteira do que comprar um carro", brincou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.