Motivado, Nelsinho quer sair por cima

Demissionário desde a posse de Marcelo Portugal Gouvêa na presidência do clube, o técnico do São Paulo, Nelsinho Baptista, vive um momento único em sua carreira. Pela primeira vez, persegue um título motivado não apenas pelo fato de enriquecer seu currículo ou a conta bancária. Quer provar para os novos cartolas do Morumbi, que desdenharam e criticaram seu trabalho mesmo antes de assumir o poder, que estavam equivocados. Em outras palavras, quer sair por cima. E mesmo sem contar com o apoio e admiração unânimes de seu grupo, a situação à qual ficou exposto comoveu a todos. Sem querer, parece ter conseguido dar ao time o que a torcida e ele próprio se cansavam de cobrar: união e ?pegada?. O título, para Nelsinho, é uma questão de honra: Estado - Você e os jogadores são questionados a todo tempo sobre a seqüência de jogos contra o Corinthians. Como se armar taticamente diante um adversário tão conhecido e que te conhece bem? Nelsinho Baptista - O que nós procuramos enfatizar nos treinamentos desta semana foi a necessidade de se movimentar constantemente. Sabemos que o adversário vai saber marcar todos os nossos primeiros movimentos. Por isso, precisamos dar continuidade, buscando espaços. Não adianta nada se o atleta tenta um deslocamento, percebe que está marcado e pára. É exatamente na seqüência dessa ação que podemos surpreender. Estado - É possível em uma final aparecer alguma inovação tática que possa surpreender o adversário ou o jeito é continuar atuando como fez durante todo o campeonato? Nelsinho - Fica difícil criar algo novo em poucos dias. Isso demanda tempo para que os jogadores entendam e apliquem a nova filosofia. O máximo que se pode fazer é mexer no posicionamento de um ou dois atletas, mas a base é a mesma que foi trabalhada no primeiro semestre. Estado - Qual a análise tática que você faz desse confronto? Nelsinho - Enquanto nós temos uma equipe rápida, o Corinthians marca muito bem no seu campo defensivo. Daí a necessidade de nos movimentarmos bastante até encontrarmos os espaços. Com relação ao posicionamento de nossa defesa, bom, isso infelizmente eu não posso falar para vocês antes do jogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.