Stefan Wermuth/ Reuters
Stefan Wermuth/ Reuters

Mourinho critica impacto negativo da Bola de Ouro

Técnico do Chelsea defende maior valorização do futebol coletivo

Toby Davis, REUTERS

09 de abril de 2015 | 17h26

O técnico do Chelsea, José Mourinho, criticou o prêmio Bola de Ouro, dado pela Fifa ao melhor jogador do ano, por glorificar o individual em detrimento da equipe.O treinador português encontrou uma rara convergência com o técnico do Arsenal, Arsene Wenger, outro crítico da premiação, que nos últimos anos tem sido dominada pelo português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, e pelo argentino Lionel Messi, do Barcelona.

"Acho que Wenger disse algo que é interessante", disse Mourinho em entrevista ao site do Telegraph."Ele é contra a Bola de Ouro, e acho que ele está certo, porque neste momento o futebol está perdendo um pouco o conceito de equipe e se concentrando mais no individual", comentou.

"Estamos sempre olhando a performance individual, a estatística individual, o jogador que corre mais. Por que você correu 11 quilômetros em um jogo e eu corri nove, você fez um trabalho melhor que o meu? Talvez não. Talvez os meus nove quilômetros tenham sido mais importantes que os seus 11."

"Para mim o futebol é coletivo. O individual é bem vindo, mas se quiser fazer nosso grupo melhor. Mas você tem que trabalhar para nós, e não nós trabalharmos para você... Quando o grande jogador chega, o time já está lá. Não é ele que chega para descobrir a equipe, como Colombo descobrindo a América. Não, não, você está chegando agora para nos ajudar a sermos melhores", disse.

Messi e Cristiano Ronaldo dominam a premiação, anteriormente conhecida como Jogador do Ano, desde 2008, e o último jogador que não era de ataque a receber o prêmio foi o zagueiro Fabio Cannavaro em 2006.

Mourinho também falou na entrevista sobre seu primeiro emprego, ensinar crianças com Síndrome de Down e portadores de deficiências mentais."Não estava tecnicamente pronto para ajudar aquelas crianças", disse.

"E tive sucesso somente por causa de uma coisa, a relação emocional que estabeleci com elas... Fiz pequenos milagres somente por causa da relação. Afeto, toque, empatia --só por causa disso. Tinha uma criança que se recusou por toda a vida a subir escadas. Outra que não conseguia coordenar o mais simples dos movimentos, todos esses problemas diferentes, e tivemos sucesso em muitos, muitos desses casos somente por causa da empatia."

O Chelsea, de Mourinho, tem sete pontos de vantagem sobre o vice-líder Arsenal na liderança do Campeonato Inglês, e está oito pontos à frente do terceiro colocado Manchester United, com um jogo a menos que os dois rivais pelo título.

A próxima partida do Chelsea pelo Inglês é fora de casa contra o Queen's Park Rangers no domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.