Mourinho defende John Terry de acusações de racismo

Atualmente no Real Madrid, o ex-técnico do Chelsea José Mourinho saiu em defesa do seu ex-comandado John Terry neste sábado. O treinador defendeu o zagueiro das acusações de racismo, que renderam a ele, nesta semana, uma suspensão de quatro jogos e uma multa de 220 libras (cerca de R$725 mil).

AE, Agência Estado

29 de setembro de 2012 | 21h56

"Ele não é racista", disse Mourinho, em entrevista ao canal de notícias norte-americano CNN. "O Chelsea tinha um time onde estavam 12 jogadores africanos. Era um elenco fantástico e nós sempre tivemos ótima relação entre todos eles", contou o treinador, lembrando de sua passagem pelo time londrino.

Julgado pela Federação Inglesa (FA, na sigla em inglês), Terry foi considerado culpado pelas acusações de ofensas racistas a Anton Ferdinand, do Queens Park Rangers, durante partida entre as duas equipes em outubro do ano passado, pelo Campeonato Inglês. Terry foi ouvido pela entidade nos últimos dias e alegou que disse a palavra "negro" a Ferdinand para questionar a acusação e não para ofendê-lo.

Mourinho não isentou Terry de culpa no caso. "No futebol isso pode acontecer e eu sei que isso acontece durante uma partida de futebol porque muitas vezes é mais do que um jogo. Algumas vezes você tem uma reação que não representa o que você é. Provavelmente ele fez um comentário racista contra um adversário e às vezes nós vemos nosso oponente de maneira errado. Mas ele tem que ser punido", completou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.