Mourinho minimiza declaração de 'tristeza' de Cristiano Ronaldo

O técnico do Real Madrid, José Mourinho, tentou minimizar a revelação de Cristiano Ronaldo de que estava se sentindo "triste" no clube.

IAIN ROGERS, Reuters

14 de setembro de 2012 | 14h49

"Se ele está triste e ele joga como joga, então está perfeito para mim, ele pode continuar fazendo o mesmo", disse Mourinho em entrevista coletiva nesta sexta-feira, quando perguntado sobre os comentários de seu compatriota português feitos após um jogo há duas semanas.

"Eu sou um treinador de futebol e as minhas responsabilidades são os resultados e, por isso, quando os resultados não são bons, vocês me matam", acrescentou Mourinho no momento em que o Real se prepara para o jogo de sábado pela liga espanhola contra o Sevilla. "É nisso que eu preciso me concentrar."

Cristiano Ronaldo disse a repórteres que estava triste após a vitória do Real por 3 x 0 em casa sobre o Granada, levando a especulações de que estava insatisfeito com o seu salário e poderia estar buscando uma saída do clube que fez dele o jogador mais caro do mundo quando foi comprado do Manchester United há três anos.

O jogador de 27 anos de idade, que segundo relatos da mídia ganha 11 milhões de euros (14,20 milhões de dólares) por temporada, recusou-se a comemorar seus dois gols na vitória.

Ele não quis detalhar os motivos de sua tristeza, dizendo apenas que "aqueles que trabalharam no clube" sabiam a razão. Mais tarde, ele negou que era uma questão de dinheiro.

O jornal esportivo Marca, ferozmente pró-Real, relatou na terça-feira que ele havia exigido uma extensão de contrato e um aumento no salário para 15 milhões de euros após impostos.

Mourinho, que tem o mesmo agente de Cristiano Ronaldo, disse que não se incomodou com as declarações do jogador, mesmo que tenham vindo num momento em que ele expressou insatisfação com sua equipe.

O Real perdeu cinco pontos em seus três primeiros jogos do campeonato, incluindo uma surpreendente derrota por 2 x 1 para o Getafe, quando deixou escapar a vantagem do primeiro tempo.

"Cristiano está trabalhando em seu nível mais alto, ele está jogando em seu nível mais alto", disse Mourinho.

"Alguns dias melhor e alguns dias pior, obviamente ele não pode marcar em todos os jogos ou ser decisivo em todos os jogos. Ele é sempre um jogador de equipe, um jogador que em termos de treinamento e disciplina é absolutamente exemplar."

"Eu não tenho que me preocupar com coisas que, para mim, são suplementares e não fundamentais."

Tudo o que sabemos sobre:
FUTMOURINHOCRISTIANO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.