Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Lucas Figueiredo / CBF
Lucas Figueiredo / CBF

Movimento #Fora Tite ganha força nas redes sociais por possível boicote do técnico à Copa América

Internautas criticam entrevista do técnico - embora ele não tenha se manifestado abertamente sobre o torneio - e pedem sua saída da seleção brasileira

Redação, O Estado de S. Paulo

04 de junho de 2021 | 20h37

Desde a noite da última quinta-feira, a hashtag #ForaTite, movimento pedindo a saída do técnico da seleção brasileira, ganhou espaço nas redes sociais. Dezenas de internautas criticaram a posição do treinador, na coletiva de imprensa na Granja Comary. Tite fez críticas veladas à realização da Copa América no Brasil e prometeu esclarecer sua posição após os dois próximos jogos das Eliminatórias – o último será na terça-feira no Paraguai. No Twitter, o assunto alcançou relevância e ficou entre os mais comentados da rede entre os “trending topics”. 

Internautas chamaram o treinador de "esquerdopata" e "lacrador" por conta de um possível boicote do técnico, sua comissão e até mesmo os jogadores à Copa América 2020, que será disputada no Brasil após a desistência da Colômbia (por problemas políticos internos) e da Argentina (pelo agravamento da pandemia). Em sua maioria, os internautas que usam a hashtag #ForaTite são favoráveis à realização da Copa América em território nacional e apoiam o presidente Jair Bolsonaro. 

Nesta sexta-feira, o mesmo grupo insatisfeito com o treinador começou a pedir para que Renato Gaúcho assuma a posição na Seleção. Embora não tenham a metodologia de uma pesquisa científica, os números apontam tendências, um retrato das redes sociais, especialmente o Twitter.

Desde o início da campanha nas Eliminatórias da Copa de 2018, em 1º de setembro de 2016, Tite viveu bons momentos na seleção e chegou a ser unanimidade. Em tom de ironia, internautas o apontavam como virtual candidato à presidência do País. O prestígio se dissipou após a derrota para a Bélgica e a eliminação na Copa da Rússia.

Com 52 jogos no comando da equipe - 38 vitórias, 10 empates e quatro derrotas -, Tite apresenta retrospecto amplamente favorável, mas vive um momento de instabilidade. As razões são as divergências com o presidente da CBF, Rogério Caboclo, por conta do apoio do treinador às insatisfação dos jogadores com a Copa América e a maneira como a CBF se posicionou sobre o tema - os jogadores ficaram sabendo que o torneio seria no Brasil pelas redes sociais e pela imprensa.

Também agravaram a crise a denúncia de assédio sexual e moral de uma funcionária da CBF contra o presidente e críticas do dirigente à comissão técnica da seleção, especialmente ao auxiliar Cléber Xavier, auxiliar de Tite.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.