Divulgação<br>
Divulgação

MP confirma jogo do Palmeiras em nova arena

Entidade recomendou a transferência do jogo para o Pacaembu por temer possíveis atos agressivos em caso de rebaixamento

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2014 | 16h40

O Ministério Público de São Paulo confirmou na tarde desta terça-feira que o jogo entre Palmeiras e Atlético-PR, no próximo domingo, será realizado na nova arena do clube. A entidade havia recomendado a transferência do local do jogo para o Pacaembu por temer possíveis atos agressivos em caso de rebaixamento do clube paulista no Brasileirão, porém, diante da insistência do clube em manter a sede da partida, aceitou liberar o estádio com a condição de que seja planejado um esquema especial de segurança.

"O torcedor é passional, então temos que prever o pior", afirmou o promotor Paulo Sérgio de Castilho, do Juizado Especial Criminal da Família (Jecrim). "Não significa que não vamos correr riscos ao receber o jogo no local, mas vamos montar um plano para minimizar todos os possíveis fatores de ameça", completou, em entrevista coletiva da sede do Ministério Público.

De acordo com o promotor, na tarde desta quarta-feira, às 16h30, será realizada uma vistoria no estádio com a presença de representantes da Polícia Militar, do Ministério Público, do Palmeiras, da construtora WTorre e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). No encontro, será elaboradas ações para conter possíveis atos de violência. Entre os planos estão ações como reforço do policiamento, dos seguranças na parte interna, isolamento de áreas dentro do estádio e bloqueio da circulação de pessoas na rua Turiassu. "Podemos elaborar algo nos moldes da Copa e somente quem tiver ingresso poderá acessar as proximidades", disse.

Para Castilho, o temor com o jogo é que por se tratar de uma nova arena, sem alambrados, facilita a ação da torcida de invadir o gramado em caso de revolta. O promotor comparou a circunstância da partida do próximo domingo com o desfecho do Brasileirão de 2009, quando o Coritiba, que também estava no ano do seu centenário, foi rebaixado no Couto Pereira ao empatar com o Fluminense. Ao fim do jogo, torcedores invadiram o gramado para tentar agredir a polícia e jogadores adversários.

"O jogo será na arena e as forças de segurança do Estado de São Paulo estarão lá, como sempre fez, para implementar medidas de prevenção. Vamos torcer para que o Palmeiras consiga o seu objetivo para todos ficarmos mais tranquilos", afirmou. O promotor destacou que uma medida que facilitou a confirmação do jogo para o Allianz Parque foi a alteração da data do encontro entre Corinthians e Criciúma. De domingo, a partida foi antecipada para sábado.


O promotor destacou que a localização do estádio é um fator complicador para a organização de esquemas de segurança, pela proximidade com shoppings centers e também por ter no arredores ruas estreitas e de difícil circulação. "Por estar encravado no centro da cidade, cercado por casas e centros comerciais, o local tem condições que dificultam a ação para fazer um círculo de isolamento de segurança", explicou. 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolAllianz ParquePalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.