MP consegue liminar e adia demolição do Julio Delamare

A justiça carioca decidiu, na madrugada desta quarta-feira, conceder uma liminar impedindo a demolição do Parque Aquático Julio Delamare, no Rio, que teria início nesta manhã. A decisão veio durante o Plantão Judiciário Noturno, na madrugada, acatando um pedido feito pela 8ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da capital fluminense.

AE, Agência Estado

17 de abril de 2013 | 15h56

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), a Justiça entendeu que a demolição causaria prejuízo ao patrimônio público, pois o Estado estaria assumindo custos que deveriam ser suportados pelo concessionário escolhido na licitação.

O Julio Delamare deverá ser demolido para dar lugar a um estacionamento como parte das obras do complexo do Maracanã visando a Copa do Mundo de 2014. A construção e administração deste estacionamento ficará a cargo da concessionária que vencer a licitação aberta pelo governo do Rio.

Por isso, a Justiça entendeu que caberá a esta concessionária - e não ao governo - realizar a demolição, uma vez que será ela a administrar e lucrar com o espaço. Ainda segundo o MPRJ, a Justiça acrescentou que a demolição do Parque Aquático também seria ilegal por interferir no regular andamento do processo. Para o MP, a demolição não poderia ocorrer antes da apreciação da liminar.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa de 2014Maracanã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.