Jorge Adorno/ Reuters
Jorge Adorno/ Reuters

MP do Paraguai rejeita pedido de prisão domiciliar para Ronaldinho Gaúcho

Decisão do juiz Gustavo Amarilla sobre o recurso da defesa do ex-jogador e seu irmão é esperada ainda para esta terça-feira, às 10h30 (de Brasília)

Raphael Ramos, Enviado Especial a Assunção, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2020 | 09h59

Em audiência realizada nesta terça-feira no Palácio de Justiça, em Assunção, no Paraguai, o Ministério Público rejeitou pedido de acordo de Ronaldinho Gaúcho e de seu irmão, Assis, de transferência para prisão domiciliar. Os dois estão há quatro noites em um presídio de segurança máxima na capital paraguaia após serem detidos por entrar no país com passaportes fraudulentos (original, mas com conteúdo falso). Entenda como está o caso Ronaldinho Gaúcho

Segundo o promotor Marcelo Pecci, os advogados de Ronaldinho Gaúcho chegaram a oferecer como garantia o imóvel que serviria como prisão domiciliar, no valor de US$ 770 mil dólares (cerca de R$ 4 milhões). "Ronaldinho ganhou muito mais que isso em sua carreira", justificou.

A decisão do juiz Gustavo Amarilla sobre o recurso da defesa do ex-jogador é esperada ainda para esta terça-feira, às 10h30 (horário de Brasília). Ronaldinho e o irmão não participaram da audiência desta terça-feira. Não foi revelado o endereço da casa que serviria como prisão domiciliar para Ronaldinho e Assis. Especula-se que o imóvel seja de propriedade de amigos dos advogados dos brasileiros e fica no bairro Lambaré.

Os dois irmãos chegaram ao Paraguai na última quarta-feira. No mesmo dia, a polícia foi ao hotel onde ambos estavam hospedados e apreendeu os passaportes falsos.

Após o Ministério Público entender que não era necessário abrir processo contra os dois irmãos, o caso sofreu uma reviravolta quando a Justiça viu risco de fuga e determinou que eles precisavam permanecer presos durante a investigação - o inquérito pode durar até seis meses para ser concluído, de acordo com as leis paraguaias. A dupla, inclusive, foi levada algemada a um tribunal no sábado.

A defesa de Ronaldinho e seu irmão considera a prisão "ilícita, ilegal e abusiva". Os advogados alegam que o ex-jogador não sabia que o passaporte que deram a ele havia sido adulterado.

A Justiça também expediu mandado de prisão contra a empresária paraguaia Dalia López, que negociou a viagem dos irmãos a Assunção. Ela está foragida. Ronaldinho viajou para o Paraguai para visitar uma entidade destinada à assistência a crianças em situação de vulnerabilidade, além de participar da abertura de cassino.

A prisão de Ronaldinho Gaúcho e do irmão faz parte de investigação que apura possível esquema de falsificação de documentos. O grupo envolveria funcionários públicos e pessoas do setor privado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.