MP ouvirá empresário sobre mala preta

O Ministério Público de Minas Gerais pretende na próxima semana colher depoimento do empresário Roberto Tibúrcio, que recentemente denunciou uma prática de "mala preta" por parte do Atlético-MG na reta final do Campeonato Brasileiro do ano passado. O MP abriu inquérito para investigar a denúncia de Tibúrcio. Procurador do atacante Quirino, o empresário disse que foi o operador do pagamento de "incentivo" financeiro para atletas de Cruzeiro, Corinthians, Coritiba e Ponte Preta, que na penúltima e última rodada do Brasileirão de 2004 enfrentaram adversários diretos do Galo na luta contra o rebaixamento para a Série B.De acordo com o promotor Eduardo Nepomuceno, as diligências iniciais se concentraram na degravação das fitas de entrevistas concedidas por Tibúrcio a veículos de comunicação. O empresário garantiu na época que tinha como provar a mala preta. Ele disse que para os supostos pagamentos usou cheques e transferências eletrônicas de depósitos."A razão da degravação é essa. Para ter nos autos essa informação. Se ele não provar, isso pode voltar contra ele", disse o promotor. Nesse caso, conforme Nepomuceno, Tibúrcio poderá ser denunciado pelo MP.Segundo o promotor, o empresário será o primeiro a ser ouvido. Depois, serão chamados para depor o presidente do clube, Ricardo Guimarães, e dirigentes ligados ao Departamento de Futebol. Nepomuceno não descarta um pedido de quebra de sigilo bancário, o que ele considera uma "medida razoável" como parte do procedimento de investigação.A denúncia do empresário foi feita em entrevista a uma emissora de rádio da capital mineira, no dia 31 de agosto, horas depois de a diretoria do Atlético "melar" a transferência de Quirino para o Real Sociedad, da Espanha. O atacante chegou a viajar para o país europeu.Diante da repercussão da denúncia, Tibúrcio recuou e disse que só apresentaria as provas que alega possuir se fosse obrigado pela Justiça. Ontem (30), ele disse que não iria mais comentar publicamente o assunto. "No momento em que eu for citado, vou comparecer (ao MP) e falar, não há nenhum problema". A diretoria do Atlético, por meio da assessoria de imprensa do clube, sustenta que desconhece a situação relatada pelo empresário. O vice-presidente Jurídico do alvinegro mineiro, José Murilo Procópio, afirmou que Tibúrcio fez posteriormente uma retratação formal ao clube, na qual afirma que suas declarações foram dadas em "um momento de violenta emoção". "Demos o assunto por encerrado. O Atlético não tem nada com isso", disse o vice-presidente. O Galo escapou do descenso na última rodada do Brasileirão 2004, no dia 19 de dezembro. O time mineiro venceu o São Caetano por 3 0, no Mineirão, e terminou a competição em 19º lugar, com 53 pontos. Os resultados citados por Tibúrcio que favoreceram o Atlético foram: Botafogo 1 x 2 Corinthians; Cruzeiro 4 x 0 Vitória; Criciúma 3 x 3 Coritiba e Vitória 1 x 2 Ponte Preta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.