Reprodução/Diário da CPTM
Reprodução/Diário da CPTM

MP pedirá prisão de quatro integrantes da Mancha Alviverde após briga

Promotor Paulo Castilho adota medida após a análise de imagens de briga entre palmeirenses e são-paulinos em trem

O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2018 | 23h05

O promotor público Paulo Castilho, representante do Ministério Público de São Paulo, vai pedir nos próximos dias a prisão preventiva de quatro integrantes da torcida organizada Mancha Alviverde, do Palmeiras. No último sábado, eles se envolveram em uma violenta briga dentro de um trem na estação Água Branca, na Linha 4 da Companhia Paulista de Trens Metropolitano (CPTM), zona oeste da cidade, com torcedores do São Paulo, ligados à Independente.

+ Elenco do Botafogo é recebido a pedradas após eliminação na Copa do Brasil

A informação foi divulgada na noite desta quarta-feira pelo Jornal da Record, e o pedido de prisão será analisado nos próximos dias por representantes do Tribunal de Justiça. Os integrantes da Independente voltavam do Morumbi, onde o São Paulo havia vencido o Botafogo-SP pelo Campeonato Paulista. Já os representantes da Mancha Alviverde estiveram em uma festa da torcida, que tem sede na Avenida Nicolas Boer, na Barra Funda.

Castilho afirmou que com as imagens da briga foram identificados os palmeirenses Diones Silva, Lucas Maia Coelho, Leandro Maia Coelho e Sandro Santos de Souza – os últimos dois, inclusive, foram presos em 2014 e condenados a sete anos de prisão por roubo e espancamento de corintianos em uma briga também dentro de trens da CPTM. Eles estavam em liberdade condicional.

Nas imagens, Diones usa um extintor de incêndio da estação Água Branca para tentar agredir os rivais, que ficaram acuados dentro do vagão. Não havia policiamento no local na hora da confusão e muitos usuários dos trens precisaram correr para escapar da pancadaria.

A torcida Mancha Alviverde não será punida. De acordo com Castilho, a entidade não pode responder por atos isolados cometidos longe dos estádios de futebol e sem conhecimento de seus diretores.

CORINTHIANS

A promotoria ainda tentará identificar os torcedores do Corinthians que também no último sábado tentaram agredir o presidente eleito do clube, Andrés Sanchez. Um corintiano já foi identificado, mas seu nome não foi revelado – trata-se de um integrante da torcida organizada Gaviões da Fiel pertencente ao movimento conhecido como ‘Rua São Jorge’, composto por torcedores com histórico de violência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.