MP recorre contra absolvição no caso da Fonte Nova

Três dias após a Justiça absolver o diretor-geral da Superintendência dos Desportos da Bahia (Sudesb), Raimundo Nonato Tavares - o ex-jogador Bobô -, e o ex-diretor técnico do órgão, o engenheiro Nilo Santos Júnior, das acusações de homicídio e lesões corporais culposas (sem intenção) no caso da tragédia da Fonte Nova, o promotor do Ministério Público baiano responsável pelo caso, Maurício Cerqueira, entrou com recurso contra a decisão na tarde desta segunda-feira.

TIAGO DÉCIMO, Agencia Estado

17 de agosto de 2009 | 18h06

De acordo com o promotor, a justificativa do juiz José Reginaldo Costa Rodrigues Nogueira para absolver os acusados - falta de provas contra os denunciados - não faz sentido. "Há diversos laudos que comprovam a ligação entre a falta de manutenção do espaço, de responsabilidade dos acusados, e a tragédia", alegou o promotor. "Estamos pedindo uma melhor análise dos documentos."

A tragédia da Fonte Nova aconteceu em 25 de novembro de 2007, durante um jogo entre Bahia e Vila Nova pela Série C do Campeonato Brasileiro. Havia 60.007 pessoas no estádio comemorando o resultado da partida - 0 a 0 -, que classificava o Bahia para a Série B do ano seguinte -, quando um trecho do anel superior da arquibancada ruiu, causando a morte de sete pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolJustiçaFonte NovaBobô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.