MPF investiga ex-parceiros da Parmalat

Nos próximos dias, o Ministério Público Federal deverá iniciar uma investigação na contabilidade de Palmeiras, Paulista de Jundiaí e Juventude (RS), clubes que mantiveram relações com a Parmalat, que está sob intervenção na Itália e no Brasil entrou com pedido de concordata.O processo deverá atingir também os dirigentes que participaram da assinatura de contratos com a empresa. "Posso garantir que o Palmeiras não foi notificado de nada. Mas se isso ocorrer não há motivos para preocupação. Recentemente, a Receita Federal e o Banco Central realizaram uma investigação em nossos documentos e não encontraram nada relevante, a não ser problemas com o pagamento do Cofins, que já estão sendo efetuados. A própria Justiça italiana pediu que enviássemos os documentos relativos à co-gestão com a Parmalat, mas até hoje nada de irregular foi encontrado", informou Antônio Carlos Corcione, diretor-jurídico do clube.Gilberto Cipullo, advogado da Parmalat na época em que foi assinado o distrato entre as partes envolvidas na parceria, e que antes havia atuado como diretor de futebol do Palmeiras, também não vê motivos para preocupação. "O Ministério Público não vai encontrar nada. O processo foi encerrado sem que tivesse ficado nenhuma pendência."

Agencia Estado,

15 de março de 2004 | 21h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.