MSI desmente dívida com o Corinthians

Por meio de nota oficial, o fundo de investimentos parceiro do Corinthians rebateu as acusações de que estaria em débito com o clube. ?A MSI prometeu, cumpriu e segue cumprindo todas as obrigações contratuais e pretende continuar a cumpri-las integralmente?, diz o comunicado. O presidente corintiano, Alberto Dualib, no entanto, cobra R$ 25 milhões da empresa e se mostra preocupado com a possível insolvência do clube.Na edição desta quarta-feira, o jornal O Estado de S. Paulo publicou que Dualib ameaça ir à Europa cobrar o dinheiro dos investidores da MSI caso não haja solução para a suposta dívida: além de querer de volta os R$ 3 milhões que emprestou no meio do ano ao fundo, acredita faltarem ainda R$ 22 milhões, que seriam o restante de R$ 60 milhões (US$ 20 milhões à cotação de um dólar a três reais), prometidos em contrato. Kia Joorabchian não confirma o quanto já pagou ao Corinthians. Mas a quantia chegaria a US$ 18,5 milhões. Nesta conta, estão incluídos US$ 3 milhões definidos como contingenciados ? encontram-se bloqueados à espera de autorização judicial para que o atacante Luizão possa sacar o dinheiro. Conselheiros do Corinthians ligados ao iraniano dizem que as negociações com os advogados de Luizão estavam bem encaminhadas, próximas de um acerto amigável, mas foram travadas pela diretoria do clube. ?É estranho. O acordo ia ocorrer e, de repente, as negociações emperraram??, comentou um deles. A cota (de R$ 1,7 milhão) que o Clube dos 13 pagará nos próximos dias ao clube, pela transmissão do Brasileiro, também deve ter como fim a quitação do débito com o atacante, no valor total de R$ 9 milhões. Dualib, entretanto, pretende continuar retendo receitas que, pelo contrato de parceria, caberiam ao fundo. Recentemente, pediu, sem aprovação da MSI, adiantamento à Federação Paulista de Futebol da cota de R$ 1,5 milhão relativa ao Campeonato Paulista.O fundo não confirma, mas também não teria acertado o valor referente às despesas com funcionários do Corinthians que estão trabalhando no Departamento de Futebol, pois solicitou e não recebeu a lista desses funcionários. A diretoria corintiana, por sua vez, nega a existência de tal pedido.Apesar de todas as arestas, a parceira corintiana, na nota enviada à redação, tentou ser conciliadora: ?A MSI está aqui como um parceiro para trabalhar e continuar a fortalecer o clube dentro e fora do campo. Espera que as duas partes tenham a mesma intenção de honrar e fortalecer a relação acordada entre as mesmas?.A briga é sim financeira, mas é também política. Dualib não suporta mais a convivência com Kia Joorabchian, executivo da MSI. E a recíproca também é verdadeira. Na véspera da última rodada do Brasileiro, o iraniano teria deixado uma reunião no Parque São Jorge após a chegada do cartola. Saiu esbravejando e bateu a porta, conta pessoa que garante ter presenciado a constrangedora cena.

Agencia Estado,

15 de dezembro de 2005 | 20h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.