Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Mudanças na convocação fazem Tite esconder escalação do Brasil para duelo com o Chile

Em entrevista coletiva, treinador diz que prefere 'segurar' os nomes que vão a campo pelas mudanças sofridas na equipe por causa da ausência de jogadores que atuam no futebol inglês. Seleção joga nesta quinta-feira em Santiago pelas Eliminatórias

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2021 | 15h46

O técnico Tite comandou o último treino da seleção brasileira nesta quarta-feira antes do duelo com o Chile, pela nona rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, e não revelou a escalação que mandará a campo em Santiago. Em entrevista coletiva no hotel em São Paulo onde a delegação está hospedada, o treinador apenas disse que prefere "segurar" os 11 iniciais especialmente pelas várias mudanças que terá de promover no time titular em razão da impossibilidade de contar com os jogadores que atuam na Inglaterra.

"Eu não quero desconversar. Quero ser sincero, como sempre tem sido a minha relação com vocês. Não vou dar a equipe que deve iniciar. Foram muitos problemas que tivemos. Resolvi segurar escalação, treinar a equipe e estabelecer a estratégia para fazermos um grande jogo amanhã", disse o treinador.

Tite não pode contar com nove atletas que atuam na Inglaterra e não foram liberados por seus clubes, além de Matheus Nunes, que deve defender a seleção portuguesa no futuro. A ideia é manter a base que atuou na Copa América, mas com alterações importantes, como a provável entrada do campeão olímpico Matheus Cunha no ataque.

O técnico não quis lamentar a ausência dos atletas que jogam no futebol inglês e valorizou a oportunidade que pôde dar a jogadores que não estariam na seleção neste momento não fosse o veto dos clubes ingleses, como Edenílson e Hulk.

"Temos um grupo de 40, 50 atletas, que monitoramos constantemente. Porque são atletas de alto nível, com qualidade técnica, que estão suficientemente habilitados para vir à seleção e apresentar o seu melhor futebol. Fomentamos a competição leal. Quando melhor for o desempenho o outro atleta vai ter que elevar esse padrão. Essa é a nossa ideia", explicou.

O auxiliar César Sampaio endossou a opinião de Tite sobre o assunto e falou a respeito da possibilidade de o Brasil, que lidera a Eliminatórias com folga, alcançar sete vitórias consecutivas.

"Independentemente de batermos recordes de vitórias nas Eliminatórias ou não, quando convocamos sempre buscamos ter uma boa performance, que nos trazem próximos aos nossos objetivos. Nesse caso, buscar a classificação o mais rápido possível. Os jogadores que aqui estão, temos um radar amplo, e eles fizeram por merecer essa oportunidade. Quanto mais alto esse nível, mais perto da Seleção render o seu melhor", ressaltou o ex-jogador.

O Brasil enfrenta o Chile no dia 2, quinta-feira, em Santiago. Depois, vai encarar a Argentina, no dia 5, na Neo Química Arena, em São Paulo. Por fim, o último adversário desta rodada tripla será o Peru, na Arena Pernambuco, no dia 9. A seleção lidera as Eliminatórias com folga, com 100% de aproveitamento depois de seis rodadas.

Matheus Nunes

Tite explicou o caso de Matheus Nunes, que foi convocado para a seleção brasileira, mas deve defender Portugal no futuro. Ele avisou que conversou com o jogador ao lado de Juninho Paulista e afirmou que o atleta, que tem dupla nacionalidade, estava muito feliz com a convocação. Oficialmente, o meio-campista do Sporting não se apresentou ao chamado de Tite por exigência sanitária do clube de cumprimento de quarentena.

"Antes da convocação, Juninho conversou com ele, eu estava ao lado, também conversei com ele, inclusive dei parabéns pelo aniversário dele. Ele tinha muito orgulho e de vir para a seleção brasileira. Depois conversamos mais uma vez, e ele disse que a vacinação e o período de quarentena impediam ele de vir e voltar para os seus jogos subsequentes", comentou.

Ciclo até a Copa do Mundo do Catar

"O meu grande objetivo profissional, com a vinda para a seleção, era fazer um ciclo, para chegar ao final e ter uma construção de equipe, com plenitude final na Copa do Mundo. Mas as oportunidades na vida nem sempre surgem assim. O Brasil atingiu a plenitude nas Eliminatórias, mas oscilou na Copa do Mundo, e saiu para a Bélgica num jogo que para mim foi top 3. Veio o convite de permanência. O que pensei individualmente: se dá essa oportunidade de construção de equipe para que aí sim possamos chegar com a seleção em sua plenitude na Copa do Mundo".

Tite é conservador nas escolhas?

"Não posso responder a críticas e opiniões dos outros, isso são opiniões de cada um. Tenho todo um histórico. Quem me conhece profundamente, sabe. Eu não encampo essa batalha. Não generalizo em relação à imprensa. Um jogo pode ser enxergado de diferentes formas, e uma construção de uma equipe tem passos diferentes. Cada um faz o comentário, a parte que quer, o enfoque que quer, os princípios que quer. Tenho toda uma história no futebol. Nunca vou contestar. O que coloco é a cabeça do técnico para a construção da equipe, que tem um viés diferente da ótica do comentarista. Tem gente que julga o caráter pela forma como a equipe joga, conduta pessoal. O público assiste e busca informação também, e faz a sua análise.

Emoção de Everson e Edenílson por chance na seleção

César Sampaio: "Entendemos o sentimento do filho e do Edenílson também, passei por isso. Temos esse papel também, de trazê-los para essa realidade que eles mesmo conquistaram. Eles fizeram por onde para estarem aqui. Dentro desse todo, é canalizar essa emoção para eles poderem desenvolver o futebol que os trouxe até aqui. Essa camisa pesa mesmo, e estamos aqui para trazer esse equilíbrio para todos renderem o seu melhor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.