Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

'Muitas vezes, se ganha jogando feio', diz Loss após fim do jejum do Corinthians

Técnico alvinegro já projeta jogo contra o Colo-Colo, quarta-feira, pela Libertadores

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2018 | 22h50

Após a vitória sobre o Paraná por 1 a 0, neste sábado, o técnico Osmar Loss reconheceu que o Corinthians precisa melhorar, mas defendeu a importância do fim do jejum no Campeonato Brasileiro. O Corinthians somava quatro jogos sem vitória (um empate e três derrotas) e corria risco de se distanciar dos líderes e começar a se preocupar com a zona de rebaixamento.

Além disso, o treinador já projeta o confronto de quarta-feira diante do Colo-Colo, pelas oitavas de final da Copa Libertadores. Como perdeu o jogo de ida por 1 a 0, o Corinthians precisa de dois gols de diferença para avançar.

"Copa muitas vezes se ganha jogando feio, mas eu sou um treinador que acha que um bom desempenho facilita o serviço da vitória. Hoje (sábado) era o momento de buscar o resultado de qualquer modo, com um gol de bola parada, como aconteceu, mas a gente tem muito a melhorar", afirmou o treinador em entrevista coletiva na Arena Corinthians referindo-se ao gol de Henrique, após cobrança de escanteio.

Na comemoração, o defensor correu em direção ao banco de reservas e foi abraçar o treinador. Loss negou que o elenco do Corinthians esteja dividido. "Acho que eles (os jogadores) foram na direção do banco. A gente tem um grupo muito fechado. Essa imagem representa aquilo que temos no ambiente de trabalho. Sabemos que estamos passando por um momento de dificuldade, de oscilação, de mudança, e a gente se fortalece quando se fecha desse jeito. Há um elo muito forte entre jogadores e comissão técnica, e entre os próprios jogadores. E isso pode eliminar alguns boatos que eles devem ter escutado sobre a gente ter um grupo dividido ou que não gosta das decisões do treinador", comentou.

Para o treinador, o ponto de destaque da vitória foi a dedicação dos jogadores. "A entrega dos jogadores foi o mais importante. É claro que a gente queria ter uma qualidade, mas o importante era vencer, retomar os três pontos. A gente sofreu menos, fruto do trabalho defensivo dos atacantes, que roubaram diversas bolas, incomodaram a saída de bola do Paraná", afirmou Loss.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.