Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Muito além dos memes: Marinho se torna referência e líder e tem sido decisivo no Santos com gols

Atacante supera fama de folclórico, vira artilheiro e se destaca pelo posicionamento contra o racismo; em campo, é pau para toda obra na Vila

Raul Vitor, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 11h43

Decisivo e goleador com a camisa do Santos, o atacante Mário Sérgio Santos Costa, o Marinho, pouco a pouco se afasta da imagem de folclórico para se firmar como um dos principais jogadores do Campeonato Brasileiro. Quando no fim do ano ele fez um apelo para ser visto como um profissional e não como um meme, indicou o quanto está disposto a ter atuações decisivas, como a de quarta-feira na Vila pelo Nacional. Aos 30 anos, Marinho marcou duas vezes na vitória do Santos por 3 a 1 sobre o Atlético-MG e colocou seu time na parte de cima da tabela.

Desde o início do Campeonato Brasileiro, Marinho marcou seis gols e deu três assistências. Ou seja, participou diretamente de nove gols do Santos em nove jogos. O técnico Cuca elogiou o atacante e disse que ele é uma referência para os mais novos do elenco. "Ele tem feito de tudo para vencermos os jogos, não só os gols. Ele é um líder importante para equipe. Hoje o time que terminou o jogo estava cheio de meninos e precisamos ter alguém para puxar essa garotada. Então, ele está sendo um referência muito importante", disse o treinador do Santos.

O prestígio se contrapõe à repercussão curiosa de uma entrevista dele dada em 2015. Ainda pelo Ceará, o atacante virou meme e se tornou uma sensação na internet quando, após uma partida, demonstrar espanto com a informação de que estaria suspenso e fora do próximo jogo. "Que m..., hein? Não sabia, não", disse. Sua espontaniedade caiu nas redes.

TRAJETÓRIA

Antes de receber o status de "líder" e "referência", Marinho rodou o Brasil. Nascido em Alagoas, ele deu seus primeiros passos no futebol no Corinthians de sua cidade natal. Por lá ficou entre 2005 e 2007, até ser contratado para jogar nas categorias de base do Fluminense.

O atacante passou um ano nas Laranjeiras e seguiu para o Internacional. Depois, foi emprestado para várias equipes: Caxias, Paraná, Goiás e Ituano, até ser contratado pelo Náutico, em 2014. Na temporada seguinte, ele foi vendido para o Ceará, clube onde a história do meme surgiu. A boa temporada na equipe alvinegra fez com que o Cruzeiro se interessasse pelo jogador. Ele não se firmou na equipe principal e foi emprestado ao Vitória, que o contratou em 2016.

Após atuações convincentes, o atacante chamou a atenção da China e foi vendido ao Changchun Yatai. Marinho ficou fora do País por um ano, mas voltou ao Brasil, em 2018, para defender o Grêmio, onde permaneceu por uma temporada para depois seguir ao Santos. Na Vila, ele se achou.

SAMPAOLI E O COLETIVO

No Santos e sob o comando do argentino Jorge Sampaoli, Marinho aprendeu lições de coletividade tática. A princípio, a torcida santista o chamava de "fominha". O atacante segurava demais a bola e atrapalhava a construção de jogadas ofensivas, um mal costume que o acompanhava desde o Vitória. "É assim que eu jogo, muita gente fala que não toco a bola, mas tento sempre fazer o melhor para a equipe. Quando faço gol, ninguém fala isso. Mas quando o resultado começa a ser adverso, acho que muitas críticas começam a aparecer. Mas não estou preocupado com críticas e, sim, em fazer o meu melhor e ajudar o Vitória, que é o que importa", disse em 2016.

Assim que perdeu essa postura, Marinho tornou-se titular absoluto do Santos. Além do poderio técnico, ganhou força neste ano pelo seu posicionamento público contra o racismo. Na eliminação do clube no Campeonato Paulista deste ano, diante da Ponte Preta, o atacante ouviu críticas de um comentarista de rádio de que ele deveria voltar para a senzala. Um dia depois, o jogador fez um desabafo em vídeo. Pediu respeito.

"Quando acontece com a gente, a gente sente mais. E eu brigo toda hora. Por isso brigo pela causa, porque quando passamos na pele é horrível. E não podemos deixar isso passar. Eu sei quem sou, sei o valor que tenho. E aí, fico pensando, porque antigamente não tinha voz ativa, aí passavam despercebidas todas essas coisas", disse o jogador. Se no passado Marinho era sinônimo de meme, atualmente significa gols e posicionamento contundente. Ele é uma espécie de "faz tudo" no time em campo, de cobranças de pênaltis a faltas, passando, claro, pelos seus gols decisivos.  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O momento não é dos melhores! Essa foto mostra e minha filha alicia negra como EU, cabelo black ou trança, nada esconde quem somos, ser humano igual a qualquer outro, e ontem um rapaz aí após minha expulsão, acabou falando pra eu voltar pra senzala! Mandar amigos me chamar não prova pra mim que você é diferente, eu te perdoo e perdoei por mensagem no insta , porém o tom de deboche ao falar que eu tinha que ir pra senzala não pegou bem, tenho orgulho daminha cor, orgulho de onde vim, você é pai e ensine teus filhos a ser diferente de você em pensamento! Quero que você se retrate e que isso não se repita nunca mais, nem comigo nem com ninguém! Eu luto pela causa! Contra preconceito e qualquer outro tipo de descriminação seja ela racial ou não! Quer me julgar por atitude em campo?ok! Errei e estou aqui pra assumir, esse é apenas um desabafo de alguém que passou a noite toda chorando por um erro! Mais não significa que até minha Cor venha ser colocada em assunto! Sou preto e orgulhoso de quem sou! Ensinando minha filha como se deve andar e mostrar que é orgulho e não vergonha ser PRETO

Uma publicação compartilhada por ✞ ☬ (@marinhoofficial) em

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.