Celio Messias
Celio Messias

Muito mal contra o Botafogo, Palmeiras perde mais uma no Brasileirão

Equipe começa o jogo pressionando, mas falha tanto no ataque quanto na defesa e sofre

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2014 | 21h39

SÃO PAULO - Há tempos o Palmeiras não joga bem, mas ao menos compensava a falta de técnica com muita raça e conseguia os resultados. Foram quatro vitórias consecutivas. Mas, assim como aconteceu diante da Chapecoense, só vontade não foi suficiente nesta quarta e o time acabou sendo derrotado pelo Botafogo por 2 a 0, em Presidente Prudente.

Com a camisa fazendo referência à seleção brasileira, o Palmeiras começou no ataque, explorando as jogadas pelas laterais e os cruzamentos para a área. Mas as duas melhores chances da equipe saíram em chutes de longe, dados por Diogo e Wesley, mas a bola foi para fora. Sem Mendieta - machucado -, Alberto Valentim colocou Felipe Menezes no time. Ele até que começou bem, mas depois caiu de rendimento.

Na beira do campo, o treinador interino do Palmeiras pedia mais atenção para tentar matar o jogo ainda na primeira etapa, já que no segundo tempo o time poderia sentir o cansaço por causa da maratona até chegar a Presidente Prudente.

Já o Botafogo não mostrou muita coisa. A única jogada era dar chutões em direção a Emerson para ele tentar fazer algo. E tanta participação do ex-atacante do Corinthians acabou causando uma polêmica.

Após passar todo o primeiro tempo se estranhando com Lúcio, Emerson fez duras acusações ao zagueiro palmeirense. "Ele é considerado mau caráter e desleal no meio da galera e todo mundo sabe disso. Para ele deve ser normal jogar assim", disse o atacante do Botafogo, em entrevista a SporTV. Ele ainda acusou o adversário de ser preconceituoso. "Ele me chamou de gay como se isso fosse um monstro".

Depois do jogo, Lúcio deu sua resposta. "Ele vai ter de provar o que disse."

 

FALTOU PERNA

Voltando ao futebol, o Botafogo retornou para a etapa final com mais vontade e resolveu sair para o jogo. Como esperado, o Palmeiras começou a dar sinais de cansaço, mas o placar foi aberto em um lance de bola parada. Aos 15 minutos, após Wendel cortar uma cobrança de escanteio, a bola sobrou para Bolatti acertar um belo chute de fora da área e colocar o Botafogo na frente.

O placar adverso fez o Palmeiras sair mais para o jogo, mesmo cansado e com a sua já conhecida limitação técnica. Para piorar, aos 25 minutos Wesley cometeu falta dura em Emerson e foi expulso. Dois minutos depois, Zeballos driblou Fábio e só não marcou o segundo gol dos cariocas porque Marcelo Oliveira cortou o chute em cima da linha.

Mesmo com dez atletas em campo, o Palmeiras não desistiu. Os jogadores correram, deram carrinhos e "se mataram" em campo. Mas, aos 48, Zeballos saiu do campo de defesa, correu o campo inteiro e bateu na saída de Fábio para fechar o placar. E o Palmeiras viu que, em alguns jogos, é preciso mais do que simplesmente vontade e disposição para vencer.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.