Multidão recepciona os campeões em Valência

As ruas ao redor do Aeroporto de Manises, em Valência, foram inundadas nesta segunda-feira por cerca de 100 mil pessoas. A multidão foi receber o time do Valencia, que desembarcou de Sevilha com o título de campeão espanhol de 2003/2004. Enquanto isso, em Madri, os ?galáticos? do Real retornavam aos treinos envergonhados com o ?ano zero? e desconfiados de que haverá uma grande mudança no clube. Do Aeroporto de Manises até a cidade de Valência, os torcedores percorreram 10 quilômetros com muita festa e buzinaço. À frente do comboio, o ônibus com os campeões. Na janelinhas, os jogadores acenavam com cachecóis e bandeiras do Valencia. A festa do campeão tomou conta da cidade e varou a madrugada. A euforia desta segunda nem de longe lembrava a incerteza que dominava o clube no início da temporada. O Valencia estava asfixiado por dívidas e o orçamento previa um gasto máximo de US$ 106,4 milhões. Nenhuma contratação de efeito. Apenas o atacante Ricardo Oliveira, que custou US$ 3,5 milhões ao clube. O maior trunfo, porém, foi segurar o zagueiro argentino Ayala, objeto do desejo do Real. Na capital da Espanha, o mundo era de fantasia. O Real acabava de anunciar David Beckham por US$ 29,5 milhões. O inglês seria mais uma estrela da constelação. Havia a previsão de gastos de US$ 343,3 milhões. Um ano depois, o clube valenciano celebrou o título espanhol e o Real ficou chupando o dedo, sem ganhar nada. ?É um erro buscar uma razão para o que se passou. Na próxima temporada, voltaremos a ser protagonistas de tudo?, explicou Jorge Valdano, diretor do Real. O clube anunciou nesta segunda um investimento de US$ 106 milhões em reforços para 2005. Samuel, Émerson, Totti (todos da Roma) e Eto?o, que está no Mallorca, são os cotados. O Valencia não tem a mesma ambição. Sonha com US$ 5 milhões de bônus do título da Copa Uefa, que decidirá contra o Olympique, dia 19, em Gotemburgo. Quanto ao Real, o objetivo é o segundo lugar no Espanhol, para entrar direto na Liga dos Campeões ? o que pode render US$ 10 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.