Divulgação
Divulgação

Mundial de futebol de rua reunirá jovens de 32 países durante a Copa

Competição é ligada a projeto social e será disputada entre os dias 1º e 12 de julho, em São Paulo

02 de dezembro de 2013 | 20h20

SÃO PAULO - A Copa do Mundo 2014 estará na reta final quando jovens de 32 países darão o pontapé inicial do Mundial de futebol de rua. Intitulado "Callejero", o torneio acontece entre os dias 1º e 12 de julho, em São Paulo, e reunirá cidadãos das Américas Latina e do Norte, África e Ásia.

Disputado em dez países latinos - Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai - a competição foi idealizada por Fabian Ferraro, ex-jogador de futebol argentino. Em "campo", cinco objetivos que valem mais do que bola na rede. A reunião tem o intuito de criar e acompanhar processos de aprendizagem, promover a inclusão social, recuperar os valores humanos, impulsionar o desenvolvimento de lideranças e gerar processos comunitários solidários de transformação.

O lançamento do Mundial ocorrerá na IV Conferência Latino-Americana de Futebol e Desenvolvimento, nos dias 4 e 5 de dezembro, também na capital paulista. Na ocasião, o futebol e os direiros humanos serão discutidos. Outra atividade prevista pelo projeto é a constituição de uma rede nacional de futebol de rua que começará nas periferias de São Paulo e instituições que aplicam as medidas socioeducativas para adolescentes em condição de infração.

JOGO

As regras do “Callejero” variam de acordo com as realidades e necessidades das comunidades. Há na competição, porém, alguns princípios básicos. As partidas não terão árbitros, apenas um mediador. Cada partida, por exemplo, é disputada em três tempos. No primeiro, é formada a roda onde são estabelecidas as regras do jogo, divisão de equipes, sistema de pontuação, valores e acordos iniciais. Todos participantes são responsáveis por cumprir o que estabeleceram, gerenciando possíveis conflitos e praticando valores como respeito, solidariedade, tolerância e cooperação.

Depois, ocorre a disputada em si. Por fim, as duas equipes avaliam se os acordos iniciais foram cumpridos. Todos, então, têm a oportunidade de falar como se sentiram durante o jogo, se existiu respeito, solidariedade, cooperação e tolerância. Após as partidas, todas as informações são anotadas em uma planilha, na qual são registrados os gols e a nota atribuída pelos participantes aos valores praticados durante o jogo. A partir das anotações será decidido o vencedor do confronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.