Muñoz aceita seguir na reserva do Palmeiras

Nem os dois gols marcados na quarta-feira, na goleada do Palmeiras sobre o Paulista por 5 a 2, mudaram a cabeça de Muñoz. Apesar de ser um dos ídolos da torcida, o atacante evitou entrar em atrito com o técnico Jair Picerni e não reivindicou lugar no time titular. O time volta a campo pelo Paulista amanhã, às 16h, contra o Marília, em Presidente Prudente. E o colombiano tem poucas esperanças de começar jogando. "Não me incomodo em ficar na reserva. Aprendi a ser humilde. Muitas vezes alguém pede para jogar e acaba tumultuando o ambiente. Esse não é o meu perfil. Prefiro conquistar a confiança do Picerni em campo", explicou.Disputar posição não é novidade para Muñoz. Desde que chegou ao Parque Antártica em 2001, conviveu com treinadores como Marco Aurélio, Celso Roth, Vanderlei Luxemburgo e Levir Culpi. Com nenhum deles foi titular absoluto."Para mim, a alegria maior é estar no Palmeiras. Fazer parte do grupo e colaborar. Fico tranqüilo porque acredito no meu trabalho. Saber esperar o momento certo é uma virtude."Muñoz e Picerni já bateram de frente algumas vezes. Em uma delas, no início de 2003, o atacante questionou a capacidade do treinador em escalar a equipe e não se deu bem. Após uma tentativa frustrada de transferência para o Santos, foi encostado e em alguns jogos não foi nem sequer relacionado para o banco."Hoje, por conhecer o trabalho do Picerni, aprendi a entender suas colocações. E percebi que no grupo atual não há espaço para estrelismo. Todos têm humildade de reconhecer que o mais importante é brigar pelo bem do Palmeiras."Picerni, no entanto, dá sinais de que pode escalar Muñoz ao lado de Vágner Love e Edmílson ao longo da temporada: "O Palmeiras tem vários sistemas de jogo. Um deles com três atacantes."O colombiano comemora. "Em 2002, o Corinthians foi campeão do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil com três atacantes (Deivid, Leandro e Gil). Quem sabe o Palmeiras não começa a jogar desse jeito?"

Agencia Estado,

23 de janeiro de 2004 | 08h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.