Muñoz é destaque na vitória do Palmeiras

Foi com a ajuda de Muñoz que o Palmeiras conseguiu vencer a Portuguesa Santista de virada por 2 a 1, neste domingo, e garantir sua classificação para as semifinais do Campeonato Paulista. Os gols da equipe, que pega o Paulista por uma vaga na decisão, foram de Vágner Love e Pedrinho.No primeiro tempo, o Palmeiras, que sofreu uma baixa importante com a ausência do contundido Magrão, não conseguiu transformar em gols a vantagem de posse de bola nos primeiro 20 minutos. Os jogadores tentaram de todos os jeitos. Aos 6 minutos, Diego Souza chutou de longa distância e Cristiano defendeu. Depois, aos 10, Vágner Love fez boa jogada, girou e chutou na área, para nova defesa do goleiro da Portuguesa Santista.Mas a Briosa também não se intimidou e, atingiu o Palmeiras no seu ponto fraco: as bolas aéreas. Aos 20 minutos, Reinaldo cobrou escanteio e Beto, de cabeça, abriu o placar. Seria perfeito para a Santista não fosse Diguinho ser expulso ao tomar o segundo cartão amarelo e ser expulso aos 32 minutos por falta em Adriano Chuva. Não foi o suficiente para o Palmeiras, que só criou chance com Pedrinho aos 44 minutos. Cristiano salvou.No intervalo, os técnicos tentaram aproveitar os atletas do banco de reservas. Nenê colocou o zagueiro Leandro Barbosa no lugar do meia João Fumaça. Picerni tirou o volante Marcinho e colocou o atacante Rafael Marques. Adriano Chuva foi substituído por Muñoz antes do intervalo, após choque contra o muro de sustentação do alambrado.O técnico do Palmeiras foi mais feliz nas mudanças. Depois de ameaçar duas vezes, o time do Palestra Itália chegou ao gol em jogada de Muñoz que, na área, passou a bola para trás. Vágner Love de frente para o gol empatou a partida, manteve a artilharia (11 gols) e a média de um gol por jogo no Paulista.Quatro minutos depois, Muñoz mostrou que realmente rende melhor entrando durante o jogo. Repetiu a jogada do primeiro gol e, desta vez, a bola encontrou Pedrinho, que definiu a virada palmeirense. Mas isso não impediu alguns sustos do time de Jair Picerni. Primeiro com Gileno chutando de longa distância aos 44 e o goleiro Cristiano, o melhor em campo da Santista, cabeceando com perigo na última bola do jogo, aos 47, para defesa de Marcos.

Agencia Estado,

21 de março de 2004 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.