Muñoz: um "paulistano da gema"

Um dos heróis da vitória sobre a Portuguesa Santista por 2 a 1, resultado que garantiu a classificação do Palmeiras para a fase semifinal do campeonato estadual (enfrenta o Paulista, sábado, no Parque Antártica, no jogo de ida), o colombiano Muñoz cansou da solidão da cidade grande.Por essa razão, trouxe os pais de Medellín para dividir o apartamento que mantém praticamente em frente ao Parque Antártica. A mudança em sua rotina foi imediata. Nas horas de folga, tornaram-se freqüentes visitas a cinemas e restaurantes, ao lado de ?seu? Dario e dona Consuelo, bem como pequenas viagens para cidades do litoral paulista.Segundo Muñoz, "não é fácil ficar sozinho em uma cidade como São Paulo. Por essa razão, trouxe meus pais. É bom ter a família ao lado, principalmente a minha, que desde pequeno me ensinou os valores certos da vida. Sinceramente, gostaria de ter meus pais ao lado enquanto estiver no Palmeiras, mas sei que é difícil conseguir o visto de permanência no Brasil para eles."A iniciativa do jogador também retrata seu temor em relação ao clima de guerrilha urbana instalado em Medellín, cidade em que nasceu, e onde seus pais moram até hoje. O medo dos traficantes é tanto que passa por sua cabeça fixar residência no Brasil."O jogador leva uma vida cigana, muda constantemente de clube, mas, sinceramente, não descarto a possibilidade de viver em São Paulo. Aqui, mesmo com todos os problemas de violência, ainda temos mais tranqüilidade para sair de casa que na Colômbia. Sem contar que estou acostumado com o povo e costumes brasileiros", diz Muñoz. Uma idéia que tem total aprovação dos pais. "Se puder, não volto mais para casa", conta Dario, que domingo vibrou com a atuação do filho nas arquibancadas de Ulrico Mursa. "Não há como negar que meu filho fez a diferença", completa Consuelo.Muñoz, que antes de chegar ao Parque Antártica, em 2001, quase foi parar no Corinthians (a diretoria optou pela contratação de Paulo Nunes), deve ser confirmado pelo técnico Jair Picerni para o jogo de sábado. Adriano Chuva, com quem disputa a posição desde o início do ano, sofreu trauma no joelho esquerdo no jogo em Santos, e será submetido hoje a um exame de ressonância magnética, que dirá se algum ligamento foi afetado. Dificilmente, porém, Chuva terá condições de entrar em campo.

Agencia Estado,

23 de março de 2004 | 09h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.