Robson Fernandjes/AE - 26/4/2011
Robson Fernandjes/AE - 26/4/2011

Muricy comemora vantagem do Santos, mas prevê 'dificuldade grande'

Técnico do time paulista demonstra satisfação com a vitória por 1 a 0 sobre o América-MEX

AE, Agência Estado

28 de abril de 2011 | 08h31

SANTOS - Com um gol de Paulo Henrique Ganso, o Santos venceu o América-MEX por 1 a 0, na noite da última quarta-feira, na Vila Belmiro, e com isso terá a vantagem de poder empatar no confronto de volta, na próxima terça, no México, para avançar às quartas de final da Copa Libertadores da América. Já se fizer gols, qualquer derrota pelo placar mínimo também servirá ao time. O fato foi festejado por Muricy Ramalho, mas o treinador admitiu que a equipe deve sofrer para alcançar a classificação.

"A dificuldade é grande, porque (o América) é um bom time e em casa cresce mais. Mas acho que eles vão sair para o jogo e dar espaço para a gente atacar", avaliou o treinador, que ressaltou a importância de o Santos não ter sofrido gols em seu estádio.

"A proposta é sempre não tomar em casa. Nós não levamos e fizemos um gol. Poderíamos ter ampliado o placar, mas acho que fizemos nosso jogo de apertar o tempo todo, dominar o adversário. Foi difícil, mas nosso time está se portando bem", acrescentou.

O comandante ainda valorizou a vitória pelo placar mínimo também pelo fato de que o time vem enfrentando uma grande maratona de jogos decisivos. "Estamos repetindo o time toda hora. E é só decisão. Nosso time está jogando no limite, sempre tendo que ganhar, desde o confronto com o Cerro Porteño (pela primeira fase da Libertadores). Isso esgota mesmo, mas se a gente tem intenção de vencer a Libertadores, tem que passar pelos obstáculos", enfatizou.

Após o triunfo na Libertadores, o Santos agora já mira a semifinal do Paulistão, no próximo sábado, no Morumbi. Como o duelo já definirá um dos finalistas do torneio, Muricy já adiantou que não pretende poupar titulares, mesmo com o fato de que a equipe enfrentará uma desgastante viagem para o México em seguida. "É um clássico e mais uma decisão, tenho que pôr o que é melhor. Mas não estouro jogador, se alguém se queixar eu tiro. Temos exames que podem medir isso. Converso muito com a comissão (técnica) e com os jogadores e vou ver como eles estão", disse.

O lateral-direito Jonathan, por sua vez, seguiu o mesmo discurso de Muricy e lembrou que o fato de o Santos não ter tomado gols em casa pode ser decisivo para o confronto de volta com o América-MEX. "É uma vantagem significativa. Nossa equipe vem tomando poucos gols. O mais importante foi ter feito gol e não ter levado em casa", disse, que se diz em condições físicas de atuar nos dois próximos duelos que o Santos disputará.

"Já fizemos processo de recuperação após a partida, na banheira de gelo, e isso já conta como regenerativo. Vamos ter um tempinho para descansar. Se ele precisar de mim, vou jogar. Quero jogar no sábado e na terça. Quero ajudar o Santos", reforçou.

 

 

Veja também:

somESTADÃO ESPN: "Jogo foi difícil, mas time se portou bem", diz Muricy

 

somESTADÃO ESPN: Zé Boquinha: "Santos venceu, não convenceu, mas continua bem"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.