Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Muricy decide, Santos vence São Paulo por 2 a 0 e busca o bi do Paulistão

Equipe agora aguarda o duelo entre Palmeiras x Corinthians para conhecer adversário da final

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Agência Estado

30 de abril de 2011 | 17h56

SÃO PAULO - De nada adiantou o São Paulo fazer a melhor campanha na primeira fase do Campeonato Paulista. Neste sábado, no Morumbi, o time tricolor sucumbiu ao talento de Ganso, Neymar e Muricy Ramalho, perdeu por incontestáveis 2 a 0 e viu o Santos se classificar à final do estadual.

Depois de se limitar a marcar no primeiro tempo, o Santos mudou de postura no segundo graças a uma substituição de Muricy, que queria adiantar Elano e Ganso. E foram exatamente os dois que marcaram os gols da vitória santista.

Em busca do bicampeonato, o Santos agora espera para conhecer o seu adversário na final. Palmeiras e Corinthians fazem a outra semifinal. A segunda partida da decisão só será na Vila Belmiro se o Corinthians avançar nos pênaltis, já que, assim, o Santos ultrapassaria o rival na somatória de pontos no torneio. Já o São Paulo chega à sua quinta eliminação seguida na semifinal do Paulistão.

Primeiro tempo tricolor. Apesar do temor de desgastar seus principais jogadores para o jogo contra o América, no México, na terça-feira, Muricy Ramalho optou por mandar a campo no Morumbi todos os seus titulares. Pelo São Paulo, nenhuma surpresa também. Rhodolfo, com um edema na panturrilha, deu lugar a Xandão, conforme previsto.

Mas foi outro zagueiro do São Paulo que deu origem à primeira boa chance de movimentar o placar. Alex Silva tentou driblar Neymar, errou a passada, tentou de novo e perdeu a bola. O atacante saiu na cara de Rogério e bateu forte. Depois de um desvio do goleiro, a bola acabou explodindo na trave. No lance seguinte, Jonathan bateu cruzado e Ceni espalmou.

Apesar de a primeira boa chance ser santista, era o São Paulo que tinha amplo domínio do jogo. A equipe tricolor, porém, parava num paredão montado por Muricy na entrada da área santista. Dagoberto, Ilsinho, Marlos, Jean, Carlinhos Paraíba e Juan trocavam a bola na intermediária, mas não conseguiam criar chances de marcar, até pela falta de uma referência na área. Tanto que, até os 30 minutos, o time só criou uma oportunidade, com Marlos, em jogada individual no contra-ataque.

O Santos se limitava a marcar e tentar aproveitar possíveis erros do São Paulo. Com Ganso e Elano absolutamente sumidos e com o árbitro Raphael Claus optando por não marcar falta em qualquer choque, os donos da casa dominavam o meio-campo com muitos desarmes. Os visitantes só não passaram o restante do primeiro tempo em branco porque a zaga tricolor saiu jogando errado pelo menos três vezes e abriu a possibilidade de Neymar tentar criar jogadas. Numa delas, a bola sobrou para Léo, que bateu forte e exigiu outra boa defesa de Rogério.

A partir dos 30 minutos, o São Paulo conseguiu soluções para ultrapassar a barreira da zaga santista. Aos 31, Dagoberto fez a jogada que está se tornando típica para ele, bateu da entrada da área e Rafael fez defesa segura. No lance seguinte, o atacante recuperou bola pela esquerda, Marlos recebeu na área e devolveu para Dagoberto, que bateu para o gol. Rafael defendeu. No rebote, Ilsinho tentou e o goleiro voltou a salvar o Santos.

Aí, o problema são-paulino voltou a ser a finalização. Aos 34, Marlos deu ótimo passe em profundidade para Jean - tal qual Rivaldo havia feito duas vezes contra o Goiás - e o volante, homem surpresa do esquema tricolor, mais uma vez errou o chute e mandou por cima. Aos 40, Ilsinho pegou um rebote na entrada da área, bateu de sem pulo , mas a bola passou raspando o travessão.

Segundo tempo santista. Na saída para o intervalo, a torcida são-paulina ecoou o nome de Muricy Ramalho, ex-treinador da equipe. Talvez lembrando de sua passagem pelo clube do Morumbi, o técnico decidiu voltar para o segundo tempo com três zagueiros no Santos. Zé Eduardo saiu para a entrada de Bruno Aguiar. Em entrevista, deixou clara a intenção: adiantar Elano e Ganso.

video ESPN - Assista aos gols da vitória do Santos sobre o São Paulo

Pelo lado do São Paulo, a ordem de Carpegiani parece ter sido: se não dá pra passar pela zaga, chuta de fora da área. Em dez minutos, Dagoberto, Carlinhos, Jean e Casemiro tentaram assim, sem assustar Rafael.

A orientação de Muricy, por sua vez, fez efeito. O Santos ganhou território, passou a dominar o meio de campo, e abriu o placar. Aos 15 minutos, Ganso chegou à linha de fundo pela esquerda e colocou a bola na cabeça de Elano, na pequena área. O volante, nas costas de Juan, cabeceou no chão, sem chances para Rogério, e fez seu 11.º gol no Campeonato Paulista, do qual é artilheiro ao lado de Liedson, do Corinthians.

Carpegiani agiu na hora. Tirou Casemiro - que, no primeiro tempo, foi o melhor homem do São Paulo - e colocou Fernandão para ser o centroavante do time. Henrique, que tem feito esse papel, nem no banco ficou. Depois, ouviu os pedidos da torcida e trocou Marlos, muito vaiado, por Rivaldo. Os dois veteranos, porém, foram nulos no tempo em que ficaram em campo.

Era a interferência de Muricy que continuava a decidir o jogo. Aos 27 minutos, Paulo Henrique deu lançamento perfeito para Neymar, nas costas da zaga. O atacante teve a chance de cair quando recebeu a marcação de Miranda, que já tinha amarelo, e depois, na área, quando Xandão encostou. Respeitando o conselho do treinador, manteve-se em pé. Parou a jogada no lado direito da área, esperou e só rolou para Paulo Henrique Ganso, que chegava na área. O meia deu um tapa na bola, entre Rogério e Miranda, e fez um belo gol.

Desprovido de qualquer organização tática depois dos dois gols santistas, o São Paulo não conseguia assustar Rafael. A única jogada era Rivaldo ou Dagoberto cair pelas pontas do campo e tentar erguer a bola na área.O Santos tentava o contra-ataque e quase marcou depois de ótimo passe de Ganso para Neymar, que saiu na cara de Rogério Ceni e perdeu excelente chance.

SÃO PAULO - 0 - Rogério Ceni; Xandão, Alex Silva e Miranda; Jean, Carlinhos, Casemiro (Fernandão), Ilsinho (Willian) e Juan; Marlos (Rivaldo) e Dagoberto. - Paulo César Carpegiani.

SANTOS - 2 - Rafael; Jonathan, Durval, Edu Dracena e Léo (Alex Sandro); Arouca, Danilo, Elano (Adriano) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo (Bruno Aguiar). - Muricy Ramalho.

Gols - Elano, aos 15, e Paulo Henrique Ganso, aos 27 minutos do segundo tempo. Cartões amarelos - Casemiro, Miranda, Juan e Paulo Henrique Ganso. Árbitro - Raphael Claus. Renda - R$ 1.232.468,00. Público - 44.675 pagantes. Local - Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Veja também:

link Muricy diz que não poderia fazer festa no Morumbi

som ESTADÃO ESPN - Neymar ressalta superação de companheiros

som ESTADÃO ESPN - Santos mereceu a vitória, analisa Muricy

som ESTADÃO ESPN - A gente entende tudo isso, diz Marlos sobre vaias

som ESTADÃO ESPN - Edu Dracena valoriza consistência da defesa na vitória

som ESTADÃO ESPN - Rogério Ceni elogia qualidade do Santos

blog ANTERO GRECO - Quem tem Ganso e Neymar não morre pagão

blog ROBSON MORELLI - O Santos voltou a voar: tem o dedo do Muricy aí

som ESTADÃO ESPN - Santos 1 x 0 / 2 x 0

link PAULISTÃO - tabelaClassificação | listaResultados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.