Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Muricy defende Ganso das vaias da torcida do São Paulo

Para o treinador, meia é diferenciado e 'tem muito crédito'

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

19 Março 2015 | 11h05

Minutos antes do gol da vitória do São Paulo sobre o San Lorenzo, nesta quarta-feira, a torcida no Morumbi não perdoou a fraca atuação de Paulo Henrique Ganso. O meia recebeu vaias quando foi substituído por Boschilia depois de uma atuação pouco convincente, mas para o técnico Muricy Ramalho elas são injustas pela qualidade do jogador.

"O Ganso tem muito crédito. Ele só saiu vaiado porque estava 0 a 0, mas correu e lutou muito. É um jogador diferente e que passa bem a bola", disse o técnico. Muricy explicou que no segundo tempo teve de sacrificar o posicionamento do camisa 10, ao recuá-lo para segundo volante para aprimorar a saída de bola do time e permitir o avanço dos demais colegas do meio de campo.

Para o técnico do São Paulo, o jogador é peça indispensável no elenco. "Ele é um jogador diferente, que passa bem a bola e tem muita técnica. Por isso ele é raro atualmente. Poucos no futebol têm essas características", destacou.

Muricy explicou também que a torcida tem um comportamento muito variável e, por isso, as manifestações vindas dela devem ser minimizadas. "Temos que entender que o Ganso é um ser humano, um cara reservado e que precisamos respeitar isso. Não dá para tirar do jogo um cara que tem a categoria dele."

O treinador contou que tem se preocupado com a oscilação das apresentações de Ganso. O camisa 10, contratado do Santos em 2012, tem vivido um 2015 irregular e até já foi perguntado por Muricy se está com algum problema pessoal. "A gente sempre procurar ajudar o jogador e conversar. Tenho experiência como técnico, mas também de vida. Mas todas as vezes em que falei com o Ganso, nunca apareceu problema."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.