Franck Rubichon/EFE - 9/12/2011
Franck Rubichon/EFE - 9/12/2011

Muricy descarta pressionar Barcelona em possível final

Para o treinador brasileiro, essa tática foi adotada pelo Real Madrid neste sábado e não surtiu efeito

AE, Agência Estado

11 de dezembro de 2011 | 11h01

NAGOYA - O Santos ainda precisa passar pelas semifinais do Mundial de Clubes para disputar uma possível decisão contra o Barcelona, mas o técnico Muricy Ramalho não esconde que já pensa em estratégias para tentar vencer o atual campeão europeu. Após assistir o triunfo do time catalão sobre o Real Madrid por 3 a 1, sábado, pelo Campeonato Espanhol, o treinador avisou que não vai adotar a estratégia de pressionar o adversário.

Para Muricy, a tática, que foi adotada pelo Real Madrid, não surte efeitos, ao contrário do imaginado pelos adversários do Barcelona. "Todos os times que jogam com o Barcelona acham que precisam pressionar, mas isso só acontece por cinco, dez minutos. Depois eles começam a tocar a bola, dominam o jogo e separam o time adversário. Não dá resultado pressionar o tempo todo", disse, em entrevista à ESPN Brasil.

Muricy também exaltou as opções que o técnico Pep Guardiola possui em seu elenco, o que permite a adoção de variações táticas durante os jogos. No sábado, em Madri, jogadores renomados como David Villa e Pedro iniciaram o duelo no banco de reservas. "O técnico não poupa os titulares porque sabe que tem como substituir", afirmou.

Apesar de reconhecer o poderio do Barcelona, Muricy não acha impossível derrotar o time catalão. Para ele, o excesso de confiança dos jogadores, que trocam passes no sistema defensivo, pode trair a equipe espanhola. "Às vezes eles facilitam com a confiança que têm de sair jogando", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.