Muricy diz querer a Libertadores mais que o São Paulo

Este é o sonho do treinador para 2009; ele confirma que reforços serão do mercado brasileiro

André Avelar, estadao.com.br

09 de dezembro de 2008 | 13h56

Três títulos brasileiros consecutivos não são o bastante para o técnico Muricy Ramalho. O técnico do Sã Paulo não pensa em outra coisa que não seja a conquista da Copa Libertadores na próxima temporada e fez questão de deixar isso bem claro em sua última entrevista coletiva no ano, antes de sair de férias.Veja também: Vote: Você concorda com a escolha da seleção do Brasileirão?A hegemonia tricolor no BrasileirãoMonte seu time dos sonhos do São PauloSTJD vai ouvir envolvidos em denúncia da Federação PaulistaCamisas comemorativas do São Paulo ironizam rivais  Washington abre possibilidade de jogar no São Paulo  Para Muricy Ramalho, técnico tem que ganhar até par ou ímpar Brasileirão 2008 - Classificação Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"É o objetivo do clube [conquistar a Libertadores], mas muito mais meu. E pode ter certeza que vou trabalhar duríssimo para que isso acontece", garantiu o técnico Muricy. "Por duas vezes passou muito perto e não vai passar uma terceira", prometeu. As duas vezes a que ele se refere são em 2006 quando o time perdeu na final para o Internacional, e em 2008, quando o time caiu nas semifinais diante do Fluminense. Muricy ainda dirigiu o time no torneio continental em 2007. Na ocasião, sua equipe foi eliminada pelo Grêmio, que assim como o Fluminense em 2008, foi vice-campeão. Em 2009, o campeão brasileiro enfrentará na primeira fase o Defensor Sporting (Uruguai), outro time uruguaio, além de um colombiano.  "O Grupo do São Paulo é complicado. A Colômbia é longe, é desgastante jogar lá. E no Uruguai a gente sabe que tem um futebol muito duro e serão confrontos muito complicados", afirmou. REFORÇOSE para buscar o título, o São Paulo promete não descansar e começar o trabalho a procura de reforços. No entanto, de acordo com a lista de Muricy, a torcida não deve esperar por grandes nomes porque o clube parece manter sua política de não fazer contratações por cifras milionárias. "Realmente não tem nenhum nome de jogador de fora. Mas a gente tem que sempre ficar atento porque de repente surge um nome", disse. "O Brasil é muito rico em jogadores, a gente pode trazer um daqui mesmo", concluiu. SEM CARA FEIACampeão brasileiro, melhor técnico do Campeonato, Muricy deixou de lado o mau humor dos dias que antecediam o jogo contra o Goiás e em sua última entrevista de 2008 sorriu bastante, brincou com os fotógrafos, respondeu a todas as perguntas educadamente e nem se importou com um celular que tocou enquanto falava. "Não, hoje não tem problema [sobre o toque do celular]. Eu até que gosto de vocês", disse Muricy. "É claro que tem sempre uns caras malas, que querem tirar proveito em uma pergunta ou outra, mas tudo bem". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.