Muricy elogia nova geração de treinadores brasileiros

Técnico afirma em entrevista que os profissionais da área sabem cada vez mais estudar o futebol no País

Redação,

21 de outubro de 2008 | 15h40

O técnico do São Paulo, Muricy Ramalho, elogiou nesta terça-feira a nova geração de treinadores brasileiros que comanda os principais clubes de futebol do País. Para ele, os profissionais da área sabem cada vez mais estudar o esporte.Veja também:São Paulo ganhou confiança após clássico, diz zagueiro RodrigoApós empate no clássico, volante Jean já pensa no Vitória Vote: quem vai levar o título do Brasileirão?  Brasileirão Série A - Classificação Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Esta geração está cada vez melhor, os caras são muito bem informados, é possível sentir isso nos confrontos. E quem hoje não é informado não vinga na profissão, os jogadores não aceitam isso", afirmou, em entrevista concedida ao Programa Arena Sportv.De acordo com Muricy, não é fácil dirigir um time grande no futebol nacional. "A maior propaganda de um treinador não é a imprensa, é o jogador. Quando o jogador fala que o técnico é bom é porque ele realmente tem competência", assinalou.Na entrevista, além de elogiar o rival e experiente Vanderlei Luxemburgo, do Palmeiras, ele destacou os trabalhos de Mano Menezes (Corinthians), Dorival Júnior (Coritiba) e Adilson Batista (Cruzeiro).No entanto, para Muricy, o técnico brasileiro continua sendo desvalorizado nas equipes. "É muito difícil ficar muito tempo em um clube, estou há três anos no São Paulo não sei como, o presidente felizmente gosta do meu trabalho".BRASILEIRÃOO treinador são-paulino também falou sobre a disputa acirrada pelo título do Campeonato Brasileiro. Ele elogiou principalmente o Cruzeiro, vice-líder apenas um ponto atrás do Grêmio. Para ele, o São Paulo, que está em quarto lugar com três pontos a menos do que a equipe gaúcha, ainda briga para conquistar o tricampeonato.Segundo Muricy Ramalho, a grande decepção da competição é o Internacional. "Eles têm ótimos jogadores e investiram bem, mas a troca de técnico é complicada". Durante o Brasileirão, o Inter perdeu Abel Braga para o mundo árabe e contratou Tite.BRASILSobre a seleção brasileira, o técnico falou que seria impossível, caso fosse convidado pela CBF a assumir o cargo de treinador da equipe hoje dirigida por Dunga, continuar no São Paulo."Não tem como acumular os dois cargos. Na seleção você tem que observar, viajar para a Europa, conversar com técnicos, cuidar de muita coisa. Tem que dedicar integralmente o tempo a isso", assinalou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.