Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Muricy exalta atuação decisiva de Conca no Fluminense

Para técnico, meia argentino 'é um jogador que se entrega demais' e mostra muita raça nos jogos

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2010 | 09h42

Um dos jogadores mais queridos pela torcida do Fluminense, o meia Conca provou, na última quinta-feira, porque é considerado o melhor jogador da equipe no Brasileirão, e um dos melhores de todo o campeonato. Com dois gols, o argentino ajudou o time carioca a vencer o Grêmio, por 2 a 0, e se isolar na liderança, com 57 pontos. Assim, teve o seu desempenho exaltado pelo técnico Muricy Ramalho.

Veja também:

linkConca faz dois gols e Fluminense assume liderança isolada do Brasileirão

SÉRIE A - tabelaClassificação | listaCalendário/Resultados

"É um jogador que se entrega demais. Jogou todas e chega num determinado momento que sente um pouco, não tem como. Ainda mais na posição em que joga. É muito marcado, mas o talento o cara não esquece. Adiantamos um pouco mais ele nesse jogo (contra o Grêmio) e ficou livre para fazer a diferença. Fez os gols e não deixou o Washington isolado", elogiou.

Em uma época em que todos os jogadores reclamam da maratona de jogos, Conca destoa. O meia atuou em todas as 32 partidas do Fluminense neste Campeonato Brasileiro. De acordo com Muricy, esta entrega é uma característica comum entre os argentinos.

"O argentino já é mais raçudo mesmo, é uma característica do futebol deles, além da habilidade. Por isso que são muito valorizados. Os europeus muitas vezes preferem contratar um argentino do que um brasileiro porque eles não sentem saudade, não ligam pra comida. Deixam o sofrimento de lado, se superam a cada momento. O Conca não é diferente. Se olharmos o biotipo do Conca e o que briga dentro de campo é brincadeira. Nunca se queixa de nada. Jogador tem essa mania, come filé mignon e diz que está duro, já para ele o bife nunca está duro", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.