Muricy lamenta gols perdidos e critica erro do clube

Desde a semana passada Muricy Ramalho tinha decidido que na estreia da Copa Libertadores o lateral-direito seria Fucile e o esquerdo, Juan. Disse isso depois da vitória sobre o Botafogo, em Ribeirão Preto, pelo Campeonato Paulista, e preparou a equipe com essa formação para a partida em La Paz. Mas quando o ônibus estava a caminho do estádio, o técnico foi informado de que teria de mudar de planos porque Juan estava suspenso - foi expulso pelo São Paulo em jogo contra o Libertad, no ano passado, em Assunção.

AE, Agência Estado

15 de fevereiro de 2012 | 23h45

"Não sei o que aconteceu, mas alguém errou nessa história. A gente estava vindo para o estádio quando me disseram que o Juan não poderia jogar", afirmou Muricy Ramalho.

Sobre a atuação do time, o técnico lamentou a falta de precisão nas finalizações. "Tivemos várias chances para marcar e não matamos o jogo. E o futebol é assim: se você não mata, morre. Um time como o nosso tem de matar".

O treinador também não atribuiu a derrota aos efeitos da altitude de 3.660 metros de La Paz. "Mesmo com as dificuldades que tivemos, tínhamos de ter vencido. A altitude realmente é um adversário porque o time fica desigual fisicamente, mas criamos muito. E um time como o nosso tem de matar o adversário", disse Muricy Ramalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.