Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Muricy minimiza nova eliminação em mata-mata

Treinador afirma que não gosta de ficar pensando em derrotas, pois não aprende nada com elas no futebol

Agencia Estado

19 de abril de 2009 | 20h37

SÃO PAULO - O São Paulo sofreu, neste domingo, sua oitava eliminação num mata-mata desde que Muricy Ramalho assumiu o cargo de técnico do São Paulo, no início de 2006. O treinador, no entanto, minimizou a derrota. "Já ganhamos no mata-mata, já perdemos no mata-mata, isso é do futebol. Não gosto de ficar pensando em derrotas. Não aprendo nada com elas", discursou, logo após a derrota por 2 a 0 para o Corinthians, neste domingo, que tirou a equipe do Paulistão.

Veja também:

linkCorinthians bate o São Paulo e está na final do Paulistão

tabela  Campeonato Paulista - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

No Estadual, o time já havia caído nas semifinais nos últimos dois anos, contra São Caetano e Palmeiras. Na Libertadores, foi despachado por Internacional, Grêmio e Fluminense. E, na desprezada Copa Sul-Americana, o time caiu diante de Millonarios, da Colômbia, e Atlético-PR. O tricampeonato brasileiro foi conquistado em pontos corridos.

Quem fez coro ao discurso do técnico foi o atacante Borges, que ficou nervoso ao ser questionado se o São Paulo tinha problema nesse tipo de competição. "Não vamos polemizar com essa história de mata-mata. Perdemos porque o Corinthians foi melhor. Somos tricampeões brasileiros. Merecemos mais respeito", disparou.

O treinador ainda teve de responder sobre a previsão desastrosa que fez há uma semana sobre a vitória dos mandantes nos jogos deste fim de semana, e a aposta de classificação de Palmeiras e São Paulo para a final do Campeonato Paulista. "Eu falei isso porque acreditava nisso", disse. Muricy fez cara feia às provocações do amigo Mano Menezes, que disse que a bola de cristal de Muricy havia se quebrado. "É assim mesmo. Quando se ganha, deita e rola. Eu não costumo fazer isso, mas ele (Mano Menezes) faz o que quiser."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.