Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Muricy não acredita em legado da Copa do Mundo para o Brasil

Técnico do São Paulo lamenta que o povo brasileiro terá bem pouca coisa após o torneio

O Estado de S.Paulo

08 de março de 2014 | 15h10

SÃO PAULO - Muricy Ramalho também resolveu comentar sobre a Copa do Mundo, e ironizou os que acreditam que o Brasil será passado a limpo com a competição da Fifa em junho. Para o técnico do São Paulo, não há dúvidas de que o Mundial será jogado em estádios bonitos e mais modernos, mas o tal legado que o povo brasileiro espera, esse será bem pouco.

"Sempre se promete um legado em uma Copa do Mundo. A palavra legado é a mais empregada. Essa palavra parece que soluciona tudo. Você gasta bilhões de reais, fala-se em legado e nada. A gente vê cada legado ruim! Com o dinheiro que foi gasto, tinha de sair coisa boa. Mas se olhar tudo que foi prometido, ficaram muitas coisas no caminho", diz Muricy, engrossando o coro dos que acham que a Copa do Mundo não resolverá os problemas do Brasil.

O treinador já percebe as reformas e melhorias nos campos de jogo, nas arenas construídas ou reformadas nas 12 cidades-sede. Ele faz uma ressalva, no entanto, sobre o fato de o Mundial não ser um trabalho apenas de melhorias esportivas no País. É o tal legado. O Estado divulgou recentemente reportagem sobre as obras de mobilidade urbana da Copa, e informou que das 41 propostas, apenas sete estavam acabadas.  

"A gente está pronto em relação aos estádios, tudo muito bonito. Mas o que era e foi falado que iria melhorar, como o transporte e os aeroportos, por exemplo, isso não vimos nada. E não dá para passar por cima. A gente espera nossa chance de ganhar o Mundial, que seria bom pra todos nós, valorizaria o nosso futebol, teria mais investimento."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.