Muricy quer o São Paulo, mas é difícil

Muricy Ramalho, em entrevista dada nesta quarta-feira em Porto Alegre (RS), deixou claro que não será fácil sua transferência para o São Paulo. "Adoro esse clube, que me abriu as portas como jogador e como técnico, quero voltar para lá um dia, mas não forçarei a barra para sair do Inter", afirmou. "Forçar a barra" significa pedir aos gaúchos que abram mão da multa de R$ 1 milhão fixada em contrato. Uma atitude que Juvenal Juvêncio esperava dele. "Esse negócio de multa não segura treinador, não. Quando ele quer sair, sai e acabou", disse o diretor de futebol, no embarque para Santiago. Juvêncio definiu o estilo de treinador que virá. "Terá de ser alguém de muita eficácia, mas de pouco apelo de mídia", disse. Garantiu que a espera da torcida não será longa. "Já avisei ao Milton Cruz: ele não deve criar ilusões. Ele vai ficar apenas por dois jogos. Espero ter tudo definido já na segunda-feira", afirmou. Há boatos de que o São Paulo poderia fazer uma tentativa para trazer Carlos Bianchi, o argentino, mas Juvenal desmentiu. "Até ele conseguir distinguir o Grafite do Fabão, a gente já perderia alguns jogos". Marco Aurélio Cunha, com menos humor, também descartou Bianchi. "Se fosse para pagar o quanto ele custa, faríamos uma oferta para manter o Leão."

Agencia Estado,

20 Abril 2005 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.