Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Muricy Ramalho admite não saber como fazer o São Paulo evoluir

'Time não está dando resposta', diz técnico sobre derrota no clássico

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 07h29

Abatido e cheio de dúvidas, o técnico Muricy Ramalho deu explicações duras pela derrota do São Paulo por 3 a 0 sobre o Palmeiras, nesta quarta-feira, pelo Campeonato Paulista. O treinador admitiu que o time tem jogado mal, precisa evoluir, mas admitiu que não tem muitos sinais do que precisa mudar para fazer a equipe reagir.

"É difícil falar. Mas tudo vira desculpa. A gente tem que continuar trabalhando para achar a fórmula ideal. Mas isso é o que continuar do jeito que estamos jogando, não dá", comentou o técnico. Muricy contou já ter realizado com o elenco conversas duras, em tom de bronca, mas lamentou a falta de resultado disso. "Tem horas que não dá só para conversar. Tenho certeza que o time não está dando resposta".

O técnico são-paulino trocou o habitual mau humor depois depois das derrotas por um ar mais resignado para comentar o desempenho da equipe em 2015. "Não se pode continuar como está. Não tivemos uma partida boa no ano. Nem contra o San Lorenzo (vitória, pela Libertadores) conseguir ir bem. Fomos apenas competitivos e brigamos até o final", disse. A equipe argentina será novamente adversária do São Paulo na próxima semana, em Buenos Aires.

O técnico preferiu não criticar o zagueiro Rafael Toloi pela expulsão logo aos sete minutos do jogo e preferiu repetir as críticas ao próprio elenco. Muricy negou a existência de problemas psicológicos e de falta de ambiente no elenco, mas apesar de não definir o que precisa arrumar no time, criticou as atuações. "Temos um time bom, que pode jogar muito mais. Estamos muito abaixo para um clube desse tamanho".

A próxima partida do São Paulo na temporada será no próximo domingo, quando vai receber o Linense, no Morumbi, pelo Campeonato Paulista. Um empate pode garantir o time na primeira colocação do grupo 1 do Estadual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.