Muricy Ramalho deve deixar o São Paulo mais ofensivo

Para conseguir a vitória contra o Sertãozinho, técnico pode colocar Adriano, Borges e Dagoberto no ataque

Marcius Azevedo, Jornal da Tarde

25 de março de 2008 | 18h09

A vitória é o único resultado que interessa ao São Paulo contra o Sertãozinho, quinta-feira, no Morumbi, pela 17.ª rodada do Paulistão. Para obtê-la, o técnico Muricy Ramalho acena, inclusive, com uma formação um pouco mais ofensiva. Além de Adriano e Borges, que estão confirmados no ataque, ele admitiu nesta terça que pode colocar o também atacante Dagoberto entre os titulares. "A gente tem uma idéia do que vamos usar. Podemos arriscar um pouco mais com três atacantes. Neste caso, também preciso arrumar atrás, deixar nossa defesa mais forte", explicou Muricy, que, no entanto, ainda não confirmou a escalação. A escalação de mais um atacante na partida de quinta-feira pode ser justificada pelas ausências dos volantes Hernanes e Richarlyson, que defendem a seleção brasileira em amistoso contra a Suécia, nesta quarta, em Londres. Apesar de ajudarem no setor defensivo, os dois saem mais para o ataque, bem diferente de Zé Luís e Fábio Santos, os substitutos, que são jogadores exclusivamente de marcação. Fábio Santos, aliás, tem seu retorno antecipado justamente pela ausência dos dois titulares. Ele ficou fora dos últimos cinco jogos por causa de uma lesão muscular na coxa esquerda. "Não temos muito o que escolher. É época de decisão. Não dá para pensar em jogador com 100% das condições", admitiu Muricy. Quem ainda não está garantido para o jogo contra o Sertãozinho é o meia Carlos Alberto. O jogador pode ficar no banco de reservas se o treinador optar pelo novo esquema tático. Apesar da situação do rival, que briga contra o rebaixamento, o técnico são-paulino não espera um jogo fácil na quinta-feira. E o Corinthians é utilizado como exemplo - no último domingo, os corintianos sofreram para derrotar o lanterna Rio Claro por 1 a 0. "Na teoria são times pequenos, mas só acredito na prática. Todos os grandes estão sofrendo muito nas partidas contra os times do interior. Não será nada fácil vencer o Sertãozinho", revelou Muricy. O treinado, inclusive, acredita que o campeonato ainda está em aberto e que não existe nenhuma equipe garantida na semifinal.  Com 29 pontos e na quinta colocação, o São Paulo pode até voltar nesta rodada ao G4, o grupo dos quatro primeiros colocados, dependendo dos outros resultados. "Não tem bicho-papão. Está tudo muito parelho e ninguém vai atropelar nessa reta final", avisou Muricy. BOCA FECHADAMuricy não quis comentar nada nesta terça-feira sobre o resultado do julgamento do atacante Kléber, do Palmeiras, que pegou três jogos de suspensão pela cotovelada em André Dias, do São Paulo. "Foi o Tribunal que resolveu. Não é problema nosso", afirmou o treinador. "Não falo mais. Uma vez, eu falei e me chamaram para depor. Nesse País, quando há uma opinião forte, vocês (imprensa) fazem onda e podem me prejudicar."  Por outro lado, o vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, reagiu com ironia ao resultado do julgamento. "Achei exagerado. O Kléber deveria ser absolvido e o André Dias, suspenso", disse o dirigente são-paulino, quando perguntado sobre a decisão do tribunal. REFORÇOSNa entrevista coletiva desta terça-feira, Muricy afirmou que ainda espera a contratação de novos jogadores para a temporada 2008. "Tudo pode acontecer, sempre estamos trabalhando para reforçar o time", disse o treinador. A diretoria, no entanto, preferiu não deixar o torcedor otimista. "Não tem nada. Até podemos contratar para inscrever na próxima fase da Libertadores, mas só se aparecer alguma coisa", explicou Carlos Augusto de Barros e Silva. "Mas precisamos de um meia e um zagueiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.