Muricy Ramalho é demitido após queda na Libertadores

Um dia depois da eliminação do São Paulo na Copa Libertadores, o técnico Muricy Ramalho foi demitido nesta sexta-feira, após reunião com o presidente do clube, Juvenal Juvêncio. O treinador não resistiu à quarta eliminação seguida da equipe na Libertadores diante de times brasileiros.

AE, Agencia Estado

19 de junho de 2009 | 22h09

Apoiado somente pelo presidente do São Paulo, Muricy foi comunicado de sua demissão depois que integrantes da diretoria pressionaram Juvenal Juvêncio. Na noite de quinta, após a derrota para o Cruzeiro, o técnico chegou a descartar a sua saída do comando do time.

O preferido da diretoria para ocupar o cargo é Abel Braga, atualmente sob contrato com o Al Jazira, do Catar. Tite, do Internacional, também é uma opção. Mas o time vai enfrentar o Corinthians, no clássico de domingo, sob o comando do auxiliar-técnico Milton Cruz.

Muricy chegou ao São Paulo no início de 2006, após ser vice-campeão brasileiro pelo Internacional. No mesmo ano, o treinador iniciou uma saga no Brasileirão, com três títulos consecutivos - 2006, 2007 e 2008.

Os bons resultados, porém, não apareciam na Copa Libertadores, maior competição do continente. O São Paulo caiu em todas as edições do torneio, desde 2006, diante de adversários brasileiros. A primeira decepção ocorreu na final de 2006, contra o Inter. No ano seguinte, o time foi derrotado pelo Grêmio nas oitavas de final. Em 2008, o Fluminense surpreendeu a equipe nas quartas.

E, neste ano, o São Paulo também parou nas quartas, dessa vez diante do Cruzeiro. A derrota por 2 a 0, no Morumbi, foi a gota d''água para parte da diretoria do clube, que já havia pressionado Juvenal Juvêncio desde a eliminação de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.