Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Muricy Ramalho vai dar um puxão de orelhas em Denilson por expulsão

Jogador do São Paulo acumula três expulsões nesta edição do Campeonato Brasileiro

O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2013 | 07h17

SÃO PAULO - O técnico Muricy Ramalho está incomodado com a quantidade de partidas que Denilson não atua no São Paulo por causa de suspensões e prometeu dar um puxão de orelhas no volante. "Ele pediu desculpa no vestiário, mas nesse quesito tem de melhorar bastante", explica o treinador.

Só para se ter uma ideia, contra o Bahia no domingo Denilson teve sua terceira expulsão no Campeonato Brasileiro. Soma-se a isso uma suspensão por acúmulo de cartões amarelos, o que dá quatro jogos como desfalque no São Paulo. "Isso atrapalha muito. Um jogador que tem a categoria dele não precisa dar pontapé. Ele tem muita qualidade", continua Muricy.

Ele garantiu que vai falar com o volante para que ele não tome mais cartões. "Vou conversar com ele, é um profissional e não existe esse negócio de cabeça quente. Ele é um dos volantes diferentes do futebol", afirma o comandante, ciente de que a expulsão prejudicou o São Paulo.

Muricy preferiu não entrar no mérito da arbitragem de Sandro Meira Ricci, que anulou um gol legítimo do São Paulo e expulsou dois jogadores. "Não sou de falar do juiz, nem quando a gente ganha, nem quando perde”, resume. Mas o goleiro Rogério Ceni não poupou críticas. “As atitudes do árbitro nos prejudicaram."

O capitão do São Paulo reclamou principalmente da expulsão de Maicon no segundo tempo. "Achei que o lance do Denilson não era para expulsão e do Maicon muito menos. Achei que ele tinha xingado, mas ele falou que não disse nada. Dar cotovelada pode, bater palma não pode", ironiza, numa referência à cotovelada de Souza em Ganso que Ricci deu apenas o cartão amarelo.

De qualquer maneira, os tricolores festejaram a importante vitória, que deu um alívio para o time na tabela de classificação. "Com dois a menos conseguimos o resultado. Foi uma partida heroica pelas circunstâncias da partida. Não tínhamos perspectiva nenhuma de fazer o gol no final, era só se defender", afirma o zagueiro Edson Silva.

O meia Ganso, que teve boa atuação, enalteceu o lado emocional do grupo e a raça demonstrada. "Essa é a cara do time, o elenco está super forte para enfrentar as dificuldades. A gente conseguiu se afastar ainda mais da zona de rebaixamento, mesmo com dois jogadores a menos", conclui Ganso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.