Muricy reclama e diz que FPF joga contra o São Paulo

O técnico Muricy Ramalho, com total respaldo da diretoria são-paulina, está no limite de sua paciência com a Federação Paulista de Futebol. Ele reclama da falta de critério da entidade na elaboração da tabela de jogos do seu clube. Na visão do treinador, a Federação deveria ter mais carinho com o São Paulo e até com o Palmeiras pelo fato de as duas equipes estarem na Copa Libertadores.

BRUNO WINCKLER, Agencia Estado

29 de março de 2009 | 18h34

"Só no Brasil que uma Federação não trabalha a favor do seu filiado. Você vai na Argentina, no Uruguai, e eles fazem tudo para não atrapalhar o clube que está na Libertadores", disparou o técnico, revoltado por ter um dia a menos de descanso em relação ao adversário Palmeiras.

"Jogamos na quarta, com viagem a Bauru, e eles jogaram na terça-feira em casa. Estamos no limite do cansaço. Não temos tempo para treinar nem para recuperar o time", cobrou Muricy. "O que ajuda é que os jogadores são entrosados. A parte tática está bem orientada e o time está bem compactado".

A maratona não acabou. O São Paulo joga na tarde desta quinta contra o Guaratinguetá, no Morumbi. No próximo domingo, deve levar um time da base para enfrentar o São Caetano, em Presidente Prudente. No dia 9, recebe o Defensor, em casa, pela Libertadores, e no domingo seguinte, dia 12, deve entrar em campo pelas semifinais do Paulista. A classificação para a fase seguinte está quase garantida. "O time cansa mesmo. Se a gente tivesse mais tempo entre as partidas, poderíamos jogar melhor", admitiu Washington.

A relação desgastada do São Paulo com a Federação já dura alguns meses, desde o fim do Brasileirão e o caso Tardelli. Neste domingo, o São Paulo deu mais uma cutucada na entidade. Em seu site, o clube informa: "A comissão técnica deu o dia de folga para os atletas, fato que é muito raro de acontecer em meio ao calendário apertado e à péssima tabela de jogos do São Paulo no ano".

Mais conteúdo sobre:
futebolSão PauloMuricy Ramalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.