TV Estadão 21.02.2015
TV Estadão 21.02.2015

Muricy revela perseguição nos bastidores do São Paulo

'Se me querem fora, que me mandem embora', desabafa o treinador do Tricolor após goleada de 4 a 0 pelo Campeonato Paulista

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

21 de fevereiro de 2015 | 20h29

O técnico Muricy Ramalho expôs problemas nos bastidores do São Paulo neste sábado, depois da vitória por 4 a 0 sobre o Osasco Audax, pelo Campeonato Paulista, no Estádio do Morumbi. O treinador contou que sabe de pessoas no clube que querem a sua demissão e admitiu que o seu jeito incomoda, mas descartou mudar e ainda atacou: "Se me querem fora, que me mandem embora".

A pressão recaiu sobre o comandante são-paulino na última semana depois da derrota por 2 a 0 para o Corinthians, pela Libertadores. Na atuação apática na estreia no torneio continental, o time não ameaçou o rival e a torcida organizada Independente chegou ainda a pedir a demissão de Muricy nas redes sociais. Mas no jogo deste sábado, o técnico superou as cobranças e teve o nome gritado nas arquibancadas.

"Comecei no São Paulo com nove anos de idade. Por isso o torcedor me reconhece. Mas é claro que tem pessoas que querem fazer a torcida agir diferente. Conheço todo o clube e sei de todos os movimentos, até de pessoas que querem criticar o meu trabalho", comentou o técnico. No começo do ano, o presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, chegou a cobrar Muricy por títulos, ao dizer que havia montado um elenco competitivo para 2015.


Depois da vitória, Muricy admitiu que por ter um jeito exigente, costuma não agradar a todos. "Sei que sou chato e que incomodo mesmo. Mas também sou sério e correto e é difícil ser assim no mundo atual. No futebol, é pior ainda. Mas vou continuar", garantiu.

O técnico também reiterou que não deixará de ser amigo do ex-presidente do clube, Juvenal Juvêncio. O dirigente se tornou desafeto da atual diretoria e a proximidade com ele não é algo considerado positivo pela cúpula do clube. "Trabalhei com o Juvenal durante anos e ninguém proíbe de falar com alguém. Não tem essa coisa", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.