Muricy se irrita com vazamento de possíveis contratações

Treinador diz que negociações com Willian, Jadson e Lincoln serão atrapalhadas por não serem mais sigilosas

Redação,

29 de julho de 2008 | 12h42

Apesar da vitória por 3 a 1 diante da Portuguesa, o técnico Muricy Ramalho anda irritado. Mas, desta vez, não é com o time, e sim com o vazamento de notícias, principalmente o interesse do São Paulo em contratar um meia, que poderia ser Willian, ex-Corinthians, Jadson, ex-Atlético-PR, ou Lincoln, ex-Atlético-MG, que atualmente joga no futebol turco.Veja também: Zé Luis aposta em contra-ataques diante do Figueirense  Dagoberto credita bom desempenho a Muricy Ramalho Muricy conta com revelações para reforçar o São Paulo "Ninguém está próximo [de ser contratado]. São indicações que a gente faz, porque é uma posição [meia] que a gente precisa ocupar desde o ano passado, mas a informação sempre vaza, e sempre atrapalha as negociações, fazendo com que a vinda do jogador seja praticamente impossível", sentenciou o treinador.Depois de rejeitar um acerto com o meia argentino D'Alessandro, que jogará pelo Internacional, o São Paulo busca um acordo para repatriar Willian, mas o vazamento da notícia trouxe mais dificuldades para a diretoria trazer o atleta que, para Muricy, seria a solução do meio-campo para, ao menos, o restante do Brasileirão.O jogador, que completará 20 anos no dia 9 de agosto, joga pelo Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, e estaria interessado em retornar ao futebol brasileiro, que deixou no final do primeiro semestre do ano passado por US$ 18 milhões (cerca de R$ 28,3 milhões). O pai do atleta, Severino, chegou a visitar o CT do São Paulo na segunda-feira.BASEPara a partida diante do Figueirense, nesta quarta-feira, às 21h50, no Orlando Scarpelli, o técnico Muricy Ramalho ainda não definiu o time titular, mas aponta para a permanência dos garotos Aislan e Jean, que participaram da vitória por 3 a 1 diante da Portuguesa."Os dois meninos foram lançados no Morumbi, na casa deles, e temos de lançá-los na hora certa. O Jean já tinha entrado em Porto Alegre [diante do Internacional] e tinha ido muito bem. O Aislan também cumpriu seu papel", disse o treinador, que completou. "Aqui sempre foi assim. Damos oportunidades aos meninos, mas como eu tenho experiência nisto, tem de ter paciência e saber a hora certa, para que eles se firmem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.