Nilton Fukuda/AE-21/01/2012
Nilton Fukuda/AE-21/01/2012

Muricy só iria para seleção após multa, diz Luis Alvaro

Favorita à medalha de ouro, a seleção precisou se contentar com a prata, após derrota para o México na final

Sanches Filho, Agência Estado

13 de agosto de 2012 | 15h34

Preocupado com um possível assédio da CBF, o presidente Luis Alvaro Ribeiro garantiu nesta segunda-feira, 12, que o técnico Muricy Ramalho só seria liberado pelo Santos para comandar a seleção brasileira após pagamento de multa. O valor a ser desembolsado seria "altíssimo", segundo o dirigente.

"Tem uma cláusula que inibe a saída do Muricy a convite da CBF. A cláusula é altíssima", avisou o presidente santista, em entrevista à TV Bandeirantes. As declarações se referem à expectativa de que a CBF venha a demitir o técnico Mano Menezes em função do revés no torneio de futebol dos Jogos de Londres. Favorita à medalha de ouro, a seleção precisou se contentar com a prata, após derrota para o México na final.

"Eu cumpro os contratos que eu assino. Só aceito a rescisão com o pagamento da multa", reforçou Luis Alvaro, que fez inusitada comparação, ao mostrar confiança na permanência do treinador no Santos. "Quem tem uma mulher bonita sofre o assédio dos outros. Eu sou mais eu, no caso, o Santos", declarou.

O anúncio da cláusula vai de encontro às declarações do dirigente na ocasião da renovação do contrato de Muricy, no fim de julho. Luis Alvaro havia garantido que o novo vínculo não previa multa em caso de proposta da CBF.

"Não tem sentido colocar multa porque a convocação para a seleção é uma espécie de convocação para o serviço militar. Se o País chama para defendê-lo, não dá para estabelecer multa", disse o presidente, no dia 28 de julho, em entrevista à Rádio Globo. O contrato de Muricy fora estendido até o fim de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.