Muricy só pensa em título no Inter

Muricy Ramalho faz campanha brilhante com o Inter. Sem segredos ou badalação, é o melhor custo-benefício do futebol nacional. E o técnico só tem motivos para pensar grande: quer o título do campeonato Brasileiro.Agência Estado - Qual a razão do sucesso do Inter?Muricy Ramalho - Temos a mesma base há tempos e conseguimos bons reforços. Nossos jogadores não são estrelas, mas dão boa resposta. É importante contratar certo.AE - Qual o destaque?Muricy - O Fernandão, sem dúvida. Ele deveria ter uma chance na Seleção para fazer o mesmo trabalho do Kaká. O Tinga e o Jorge Wagner também estão bem. E tem o Edinho, que é muito bom.AE - Teve azar com o Iarley, não?Muricy - Foi. Ele chegou muito bem, fez quatro gols seguidos, mas precisou operar o ombro e vai ficar mais dois meses parado. Trouxemos o Renteria (colombiano) que tem um estilo mais forte e que vai fazer boa dupla com o Rafael Sóbis.AE - Quais são os piores rivais?Muricy - Até o Palmeiras, todos. E tem o São Paulo, que vem reagindo. Só acho que darão uma relaxada no final, perto do Mundial.AE - O Inter pode ser campeão?Muricy - Nossa meta era a Libertadores. Agora, sonhamos mais alto.AE - E você, está pronto?Muricy - Aprendi bastante e estou em condições de ganhar o título. Seria o maior deles. Já ganhei cinco estaduais. Em 2001 e 2002 com o Náutico, em 2003 e 2005 com o Inter e em 2004 com o São Caetano.AE - Como você pensa no futuro da carreira. Sonha com a seleção?Muricy - Eu não coloco metas desse tipo. Só quero trabalhar cada vez melhor. É lógico que desejo voltar à São Paulo, para ficar mais perto dos meus filhos, a Fabíola, de 22 anos, o Muricy Jr. de 16 e o Fábio de 11, mas tudo tem sua hora.AE - Você cumpre contratos até o final. É seu diferencial?Muricy - Não sei, mas acredito que me deu mais respaldo. As pessoas passaram a me respeitar mais. Sabem que sou um cara sério. Também não gosto de muita mídia. Olho esses programas de televisão e estão sempre os mesmos técnicos falando as mesmas coisas. Gosto de me preservar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.