Muricy sofre com desfalques de Aloísio e Dagoberto

Técnico do São Paulo quebra a cabeça para escalar setor ofensivo contra o Atlético Nacional, na Colômbia

Alfredo Luiz Filho, Jornal da Tarde

22 de fevereiro de 2008 | 20h12

Muricy Ramalho não poderia ter recebido notícia pior às vésperas da estréia do São Paulo na Libertadores: os atacantes Dagoberto e Aloísio estão fora da partida contra o Atlético Nacional, da Colômbia, na próxima quarta-feira, em Medellín. O primeiro voltou a sofrer uma contratura na coxa direita idêntica a que o afastou dos gramados por duas semanas. E o segundo teve uma lesão no púbis, próxima à que sentiu recentemente no músculo do abdômen. Veja também: Borges desencanta e São paulo reassume a terceira posição Rogério Ceni está preocupado com o time do São Paulo Muricy: para o Paulistão, está bom; para a Libertadores, não "O Aloísio tem excesso de massa e isso o deixa propenso a sofrer contusões", explicou o médico José Sanchez. "Muita gente questiona se ele precisa de cuidados diferenciados, mas o Aloísio sempre teve os problemas dele. Nada que necessite de algo especial." Para complicar, a recuperação de Aloísio não é nada fácil. Ele se revezará na fisioterapia e em exercícios para ver se houve melhora. "Não temos o que fazer. É fisioterapia e treino, fisioterapia e treino. Se continuar sentindo, fica só na fisioterapia", completou José Sanchez, deixando uma esperança de Aloísio estar na estréia na Libertadores. Assim, restaram apenas duas opções para o treinador armar o ataque são-paulino: Adriano e Borges, dupla que provavelmente estará em campo no domingo, para enfrentar o Noroeste, pelo Campeonato Paulista, e que será repetida contra os colombianos do Nacional.  Por isso, a contratação de um atacante também está na pauta da diretoria do São Paulo, que corre contra o tempo em busca de reforços. O nome mais forte no clube continua sendo o de Éder Luís, do Atlético-MG.  Diretores do Atlético admitem o interesse são-paulino, mas juram que a transferência está emperrada por causa de valores. Os mineiros pedem R$ 8 milhões por 50% dos direitos de Éder Luís - a outra metade pertence a um grupo de empresários. O São Paulo até aceitaria a ajuda de um parceiro para trazer o jogador. Para complicar, Muricy tem só até segunda-feira para fechar a lista com os nomes dos 25 jogadores que disputarão a primeira fase da Libertadores. Se ninguém chegar até lá, é bem provável que o treinador recorra às categorias de base para completar o elenco. Contra o Paulista, por exemplo, ele chamou o garoto Roni, de 16 anos, para formar o banco de reservas. Antes, outros já haviam tido a chance de vivenciar a experiência de acompanhar o elenco profissional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.