Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Murtosa acha que é cedo para Palmeiras se desesperar

Técnico lamentou as chances de gol perdidas e a oportunidade de deixar a zona de rebaixamento

LEONARDO MAIA, Agência Estado

13 de agosto de 2012 | 08h05

RIO - A pressa em terminar a entrevista coletiva após a derrota do Palmeiras para o Fluminense, neste domingo, no Engenhão, denunciava toda a irritação do auxiliar técnico Murtosa pela situação cada vez mais incômoda do clube alviverde no Campeonato Brasileiro. Fazendo as vezes de treinador, com a suspensão de Luiz Felipe Scolari, Murtosa lamentou as chances de gol perdidas e a oportunidade de deixar a zona de rebaixamento.

Para o auxiliar, ainda é cedo para apertar o botão de pânico. "Ainda nem acabou o primeiro turno. Nós vamos sair desta situação", garantiu, para em seguida descartar contas e projeções para as rodadas que culminarão no fim do turno - contra Flamengo (nesta quarta-feira), Atlético Goianiense e Santos.

A confiança de Murtosa vem do fato de o elenco palmeirense possuir jogadores "rodados" e experientes, que, assim espera, não sentirão a pressão por fazer a equipe se afastar da área perigosa. "Temos um grupo com jogadores que já passaram por muitos momentos difíceis. Temos que ter calma e manter essa postura".

Na avaliação do auxiliar de Felipão, os 13 pontos em 16 rodadas disputadas ainda são reflexo do desgaste da Copa do Brasil, que resultou em muitas lesões para jogadores-chave como Valdivia, Maikon Leite e Daniel Carvalho. "Acho que vamos começar o segundo turno com o grupo completo. Aí teremos uma melhor situação", projetou.

Em sua visão, o jogo foi marcado pelo equilíbrio, com maior controle do Fluminense, mas as chances mais nítidas pertencentes ao Palmeiras. O esperado duelo entre Barcos e Fred não se confirmou, em sua opinião, pela forte marcação imposta aos artilheiros pelas duas defesas.

Sobre a formação ofensiva com Obina e o argentino, Murtosa indicou que Felipão deve mantê-la, pelo menos até ter mais opções no ataque, quando o departamento médico palmeirense esvaziar. "O Obina está correspondendo bem. Ele está sacrificado numa posição em que tem um desgaste grande, em que volta para marcar. Está se adaptando", destacou o auxiliar.

Com seu indefectível bigode a aumentar a sisudez de seu semblante, Murtosa sequer esperou os jornalistas se ajeitarem na sala de imprensa e disparou palavras com rapidez. Queria deixar o Engenhão o quanto antes, esfriar a cabeça e se preparar para a ingrata tarefa de comandar mais uma vez a equipe à beira do campo contra o Flamengo, na quarta, na Arena Barueri.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPalmeirasMurtosaFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.