Taba Benedicto / Estadão
Taba Benedicto / Estadão

Museu do Futebol receberá ligações e videochamadas para minimizar solidão de idosos

Projeto será feito em parceria com o Hospital das Clínicas durante a quarentena da covid-19

Raul Vitor, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 15h14

O Brasil começa a sentir os efeitos da expansão do novo coronavírus (covid-19) e os idosos são mais suscetíveis aos efeitos letais da doença. Por isso, eles precisam se isolar. Para afastar o sentimento de solidão, o Projeto Revivendo Memórias, realizado com a parceria do Museu do Futebol com o Hospital das Clínicas, ganhou uma versão adaptada. O time de educadores do Museu passou a receber ligações para conversar com esse público sobre a memória do futebol. Os minutos são usados para bate-papo sem pressa ou censura de assuntos, até novelas entra na conversa.

"Realizar esse projeto, hoje, tem tanta importância quanto o projeto presencial realizado em 2019. O presencial é importante, de fato, pois vivenciamos in loco e interagimos com outras pessoas, com outro ambiente. O projeto a distância tem um alcance social muito maior. Sabemos que muitas pessoas são impossibilitadas de ir ao Museu, por fatores sociais e físicos, e agora pela quarentena. Quando pensamos num projeto a distância, conseguimos levar o museu até essas pessoas. Queremos minimizar o impacto da solidão e do isolamento social", diz Ialê Cardoso, Coordenadora do Núcleo Educativo do Museu do Futebol.  

A partir desta semana, o Museu do Futebol começa o trabalho de receber ligações e videochamadas dos mais velhos com o intuito de ajudá-los a combater a solidão e o tédio, derivados do isolamento imposto pela pandemia da covid-19.  A princípio, o projeto tinha um público alvo: idosos com Alzheimer, mas com o fechamento do Museu, ele se tornará mais amplo.

"Nesse ano, o projeto continua. Tínhamos, em março, nossa primeira visita agendada, mas por conta da chegada do coronavírus tivemos de cancelar essa visita. No momento em que todos estão trabalhando de casa, nós pensamos: 'Por que não dar continuidade desse projeto por meio de telefone e videochamadas?'. A partir de então, a ideia foi ampliá-lo para além de idosos com Alzheimer, e alcançar o atendimento de idosos no geral", explicou a coordenadora.

A tour virtual já tem data para começar. Na próxima quinta-feira, dia 2, o Gilberto e a Elza serão os primeiros idosos a experimentar o projeto de casa. Ambos possuem Alzheimer e já participaram da versão presencial. "Criamos esse projeto para que nós possamos dar uma melhor qualidade de vida para os pacientes com Alzheimer e seus cuidadores. Mais do que isso, para que nós possamos resgatar lembranças através de memórias afetivas. Está mais do que provado que arte e a música são elementos disparadores dessa memória. E o Museu do Futebol é muito poderoso nisso por ter um acervo que fale, não só do futebol em si, mas de tudo que o permeia o esporte", diz Ialê.

As conversas serão de terça à sexta-feira, sempre das 10h às 11h e das 16h às 16h, através de um agendamento prévio. Às terças e quintas-feiras, serão realizados atendimentos individuais, enquanto às quartas e sextas, para casas de repouso e entidades sociais, que atendam outros grupos fragilizados. Para realizar o agendamento, basta enviar um e-mail para agendamento@museudofutebol.org.br ou pelo número (11) 991130226.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.