Mustafá avisa: chega de contratações

O ciclo de contratações do Palmeiras está fechado. Mesmo que Vágner Love seja negociado com um grupo de empresários portugueses, o presidente Mustafá Contursi não pretende buscar nenhum jogador para o seu lugar. O dirigente já avisou ao técnico Jair Picerni que os cinco reforços pedidos por ele já estão no clube: Jardel, Gabriel, Kahê, Thiago Gentil e Claudecir. Jair não ficou satisfeito com a decisão, mas mas vai contestá-la. Após o treinamento de terça-feira, na Academia de Futebol, o treinador gaguejou para falar sobre o assunto.?Reforços sempre são bem-vindos num time com a grandeza do Palmeiras. Entendo as dificuldades financeiras da diretoria. Confio no potencial deste grupo e acho que vai dar para fazer uma boa temporada.? O treinador, no entanto, só contestou a situação de Jardel, que continua sem poder ser inscrito. A pendência é com o Ancona, que não liberou o jogador do contrato que expira em 30 de junho. O clube italiano quer que Jardel perdoe uma dívida de R$ 2,1 milhões. O Ancona também quer que o Bolton, dono dos direitos federativos de Jardel, também perdoe uma outra dívida, de U$ 100 mil. A solução pode ocorrer segunda-feira. Dia 16, Jardel completará três meses de salários atrasados no Ancona. Com base nisso, o atacante vai pedir a sua liberação na Fifa. O Palmeiras está sendo orientado por Paulo Amorety, presidente da Câmara de Resolução de Disputas da Fifa. Essa indefinição é que deixa o técnico Jair Picerni preocupado. ?A verdade é que por enquanto eu não posso contar com o Jardel.? Dos cinco jogadores que reforçam o Palmeiras, só o atacante Khaê e o volante Claudecir foram inscritos no Campeonato Brasileiro. O zagueiro Gabriel, que aguarda um documento do Rentistas, do Uruguai, e o atacante Thiago Gentil, que depende de uma liberação do Al-Ittihad, da Arábia Saudita, ainda não foram inscritos, a exemplo de Jardel. A diretoria acredita que na segunda-feira possa resolver todas as pendências e fechar o grupo. Na Copa do Brasil, Jair Picerni vai ter que se virar sem esses jogadores. Mas como se trata de uma competição de ?tiro curto?, o treinador parece mais tranqüilo. ?Minha preocupação maior é o Campeonato Brasileiro, que tem mais de 40 jogos pela frente. Na Copa do Brasil, por ser uma competição de tiro curto, dá para administrar melhor certas deficiências no grupo.? Apesar das diferenças de características entre as competições, vencer a Copa do Brasil é a prioridade não assumida oficialmente no Palmeiras. Conquistar esse título seria importante por vários aspectos. Além da volta à Libertadores, o time perderia de uma vez por todas a marca de ter vindo da Segunda Divisão. Na visão do técnico Jair Picerni, está mesmo faltando um título como a Copa do Brasil para que o Palmeiras dê um salto de qualidade. ?O rótulo de campeão sempre ajuda, principalmente numa competição nacional. Só não podemos esquecer que ainda estamos no meio do caminho.? Se eliminar o Santo André, o time cruzará nas semfinais com o ganhador do confronto entre XV de Novembro de Campo Bom (RS) e Palmas, de Tocantins.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.