Mustafá avisa que não vai renunciar

A oposição, antigos aliados da situação e os torcedores do Palmeiras querem a renúncia de Mustafá Contursi já. Mas o presidente foi enfático. "Não vou abandonar o barco." Ele mostrava, nesta quinta-feira, depois da derrota mais humilhante da história do clube - 7 a 2 para o Vitória -, um abatimento pouco comum para seu temperamento, mais forte até do que no rebaixamento do time para a Segunda Divisão do Brasileiro. "Foi um desastre, está tudo tumultuado." Quando disse "tumultuado" quis referir-se ao aspecto político, administrativo, ao futebol... E embora venha garantido que vai permanecer, está balançando pela primeira vez. Conselheiros e amigos conversaram com ele e chegaram a sugerir que pelo menos peça licença. Mustafá deixou o caso a cargo de algumas pessoas do Conselho de Orientação Fiscal e do Conselho Deliberativo. Se eles acharem que sua saída é a melhor opção, pode até repensar sua posição. Mas por enquanto não pensa nisso. A oposição também duvida que ele saia. Até mesmo a sua integridade física começa a correr risco. As ameaças são cada vez mais freqüentes. E Mustafá, que está no sexto mandato, sabe que as críticas dirigidas a ele estão interferindo diretamente no time. Em todos os jogos há protestos. Quem pensa que craques chegarão ao Palestra Itália após o vexame de quarta-feira engana-se. O clube não fará contratações de impacto para a Segunda Divisão. O único jogador renomado com quem negocia é o atacante França e, mesmo assim, as possibilidades de ele chegar são remotas. Mas Mustafá avisou que serão feitas mudanças. "Vamos tomar algumas medidas." A principal delas será a de definir, com a comissão técnica, nova lista de dispensa de atletas. Por volta das 11h20 desta quinta-feira, Mustafá atendeu a Agência Estado por cerca de 15 minutos e disse não saber o que está acontecendo com o Palmeiras. Mas não aceita assumir sozinho a culpa pelo fracasso. Agência Estado - A pressão da oposição, da torcida e da própria imprensa está muito grande. O sr. vai agüentar? Não pensa em sair? Mustafá Contursi - Não vou abandonar o barco. A oposição não me afeta. Se ganharmos dois ou três jogos, eles vão desaparecer. Isso é oportunismo por causa dos maus resultados. Paciência. Houve um presidente do Palmeiras que foi tricampeão. No quarto campeonato ele perdeu. Quando saiu do clube, jogaram o retrato dele na privada, contam. AE - O que o sr. fala da derrota para o Vitória? Mustafá - Foi um desespero, poxa. Estamos fazendo esforços para montar uma boa equipe. O time estava treinando havia mais de 20 dias e acabou perdendo um zagueiro e um meia para o jogo. Tomou um gol no começou e arriou. Não tenho como explicar, porque não sou psicólogo. Não quero arrumar desculpas, mas não vamos desistir. Foi um desastre, está tudo tumultuado. AE - Foi a sua pior derrota no Palmeiras? Mustafá - Não sei, às vezes uma derrota por 1 a 0 dói mais. Mas, pela repercussão que teve, foi a pior derrota. Eu temia muito pelo jogo, porque ficamos 26 dias sem jogar e é o jogo que dá ritmo. AE - É verdade que o sr. não foi ao Palestra Itália? Por que, estava com medo da pressão? Mustafá - É verdade, não fui ao Parque Antártica, porque tive uma reunião na Sport Promotion (empresa de marketing esportivo) que terminou tarde. AE - Não ficou chateado com a atuação do Marcos? Mustafá - Não, não podemos nos esquecer de quantas vezes ele já nos salvou. AE - O que está acontecendo então com o Palmeiras? Mustafá - Na hora em que descobrirmos vamos resolver todos os problemas. É má administração, questão organização? Não, o clube dá todas as condições para o grupo, de atendimento, viagem, temos o novo centro de treinamento. Além de pagarmos os salários em dia, administramos bem, se não de nada adiantaria... AE - O técnico Jair Picerni vem insistindo na necessidade de reforços de peso, mas até agora... Mustafá - As pessoas têm de entender que já temos uma situação definida. Vamos disputar a Série B, não? Então, será que estamos pensando que vamos disputar a Série A? Não adianta contratarmos jogadores da Série A para a Série B. Eu acho o elenco de qualidade, vamos conversar novamente com a comissão técnica. Já contratamos dois do Ituano (o lateral-esquerdo Lúcio e o volante Elson) e estamos buscando um atacante. AE - O França vai ou não ser contratado? Mustafá - Existe uma proposta pelo França, é uma boa proposta. Mas ele só vai poder vir daqui a 40 dias. Será que vai resolver? AE - O que vai mudar no clube? A comissão técnica será mantida? Mustafá - A comissão técnica está mantida, claro, mas vamos tomar algumas medidas. Ainda não sei quais, vamos conversar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.